Tamanho do texto

Ministro do STF, Luiz Roberto Barroso afirmou que a conversa foi obtida por meio de uma ação criminosa e que a corrupção na Petrobras existiu

Barroso
Carlos Moura/SCO/STF - 23.4.2019
Luís Roberto Barroso afirmou que ainda não é hora de se formar juízos sobre os acontecimentos recentes

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Roberto Barroso, afirmou que tem dificuldade de entender a euforia em torno da revelação da conversa entre Deltan Dallagnol e o então juiz da Lava Jato Sérgio Moro . O ministro disse ainda que, como juiz, só pode falar ao final da apuração dos fatos.

Leia também: Sergio Moro vai ao Senado esclarecer troca de mensagens com Dallagnol

"Eu sou juiz. Os fatos acabaram de ser divulgados, estão sendo apurados. Juiz fala ao final da apuração dos fatos e não no início da apuração, se tiver que falar e de preferência nos autos. Não é hora de formar juízos sobre isso ainda", afirmou Barroso  em entrevista à Globo News . Barroso afirmou ainda que o esquema de corrupção da Petrobras foi comprovado. 

"A corrupção existiu, eu até tenho dificuldade de entender um pouco essa euforia que há em torno disso se houve algo pontualmente errado aqui ou ali. Porque todo mundo sabe, no caso da Lava Jato, que as diretorias da Petrobras foram loteadas entre partidos com metas percentuais de desvios. Isso é um fato demonstrado, tem confissão, devolução de dinheiro, balanço da Petrobras, tem acordo que a Petrobras teve que fazer com investidores de Nova York", afirmou o ministro do STF .

Leia também: "Moro tem mais credibilidade que o nosso presidente", diz líder do PSL

Para Barroso , "é preciso ter cuidado para que o crime não compense" já que, segundo o ministro, as conversas foram obtidas por ação criminosa.