Tamanho do texto

Em entrevista à revista alemã Der Spiegel, o ex-presidente também chamou Jair Bolsonaro de despreparado e criticou nomeação de Moro como ministro

Lula
Ricardo Stuckert
Lula acusou o procurador Deltan Dallagnol de ser uma "marionete" dos Estados Unidos

Após ser autorizado pela Justiça a dar entrevistas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a falar com a imprensa. Nesta sexta-feira (24), a revista alemã Der Spiegel divulgou uma conversa com o petista, que está preso na sede da Polícia Federal em Curitiba há mais de um ano após ser condenado, em segunda instância, a cumprir 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. 

Leia também: STJ reduz pena para 8 anos e 10 meses e Lula pode ser solto em setembro

 Durante a conversa, o ex-presidente voltou a dizer que a Operação Lava Jato é uma "farsa" que tinha ele e o PT como únicos alvos e criticou o atual presidente Jair Bolsonaro. Lula ainda acusou o procurador Deltan Dallagnol de ser uma "marionete" do Departamento de Justiça dos EUA.

"As elites americanas e brasileiras são contra que 75% das royalties fossem investidos na educação, para que o Brasil finalmente superasse um atraso de 200 anos. Com isso, a gente conseguiria financiar pesquisa, tecnologia e o sistema de saúde. Por isso derrubaram a Dilma. Por isso seguiram-se todas as manobras ilegais para impedir que eu fosse candidato. Eles sabiam que eu seria eleito mesmo que concorresse da prisão. O procurador Deltan Dallagnol , que me perseguiu, é uma marionete do Departamento de Justiça dos Estados Unidos", disse o petista.

De acordo com o ex-presidente, a Lava Jato começou com o objetivo de tirar a esquerda do poder.  "Desde que a Lava Jato começou eu estava convencido de que na verdade ela só tinha um alvo: eu. Eu dizia: não é possível que meus opositores vão tirar a Dilma, que era minha sucessora e do PT, para depois deixar que eu fosse eleito presidente. Isso não fechava", afirmou.

Considerada uma das maiores operações contra a corrupção da história, a Lava Jato prendeu políticos importantes de diversos partidos, além de funcionários públicos, empresários e doleiros. Além de Lula, outros políticos famosos como Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão e Eduardo Cunha foram detidos pela operação, que também mira o ex-presidente Michel Temer, que chegou a ser encarcerado duas vezes em 2019 por desdobramentos da Lava Jato.

Leia também: Como Lula se apaixonou após dois anos de viuvez e um de prisão

Sobre o presidente Jair Bolsonaro , Lula voltou a chamar o capitão reformado de incompetente. "Espero que Bolsonaro recupere a razão e mereça o respeito que um presidente deste país deve ter", disse o petista.

O ex-presidente ainda comparou o atual chefe do Planalto com o imperador romano Nero. De acordo com Lula , Bolsonaro "quer deixar o País em chamas".

    Leia tudo sobre: Lula