Tamanho do texto

Líder do governo no Congresso, deputada não gostou de ser chamada de "Rainha do Centrão" em uma reportagem divulgada pelo site da publicação

Joice Hasselmann
Najara Araújo/Câmara dos Deputados
Joice Hasselmann prometeu processar a revista Veja

Conhecida por suas polêmicas, a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), foi às redes sociais para mostrar sua insatisfação com a revista Veja . Em uma publicação no twitter, a deputada federal mostrou indignação por ser chamada de "Rainha do Centrão" em uma matéria publicada no site da revista.

Leia também: Toffoli diz que fake news já fazem parte do processo eleitoral no país

"A revista Veja mente descaradamente", escreveu Joice . "Vou meter processo nessa revistinha lixo (só não sei se os quebrados terão $ pra indenização). E antes que eu me esqueça: Rainha do Centrão é a sua mãe", continuou a parlamentar.

Líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann é conhecida por ser uma das mais ferrenhas defensoras do presidente Jair Bolsonaro . No entanto, nas últimas semanas, a deputada vem pregando o diálogo entre a base do presidente e os parlamentares para facilitar a aprovação das pautas do governo, em especial a reforma da Previdência.

Leia também: Toffoli diz que fake news já fazem parte do processo eleitoral no país

A reportagem da Veja  que irritou a deputada narra o saga da parlamentar de tentar equilibrar a lealdade ao governo e as conversas com o bloco do Congresso conhecido como centrão. Na matéria, a revista cita que, após um discurso na Câmara, deputados do bloco liderado pelo presidente da casa, Rodrigo Maia, ovacionaram Hasselmann e a chamaram de "Rainha do Centrão ". A matéria também alega que a líder do governo no Congresso estaria irritada com a postura combativa de alguns colegas de PSL.

Em uma entrevista na semana passada, a deputada havia reclamado da "falta de tato" político de alguns membros da base de Bolsonaro.

Jornalista de formação, Joice Hasselmann já trabalhou na revista Veja . Ela acabou sendo demitida do veículo em 2015, quando enfrentava dezenas de acusações de plágio. A hoje parlamentar, por outro lado, alega que a publicação foi "forçada" a mandá-la embora por conta de seus comentários negativos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o PT.