Tamanho do texto

TRF4 também decidiu pela indisponibilidade de valores de parlamentares e executivos de empreiteiras; partidos, políticos e empreiteiras são implicados

MDB
Igo Estrela/PMDB Nacional - 19.12.17
Justiça bloqueou R$ 1,9 milhões do MDB, parlamentares e empresas

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) determinou o bloqueio de valores e bens de acusados em ação de improbidade administrativa da Lava Jato. Entre os condenados, estão o MDB, o PSD e os parlamentares Valdir Raupp (MDB/RO), Fernando Bezerra (PSB/PE), Eduardo da Fonte (PP/PE), além das empresas Queiroz Galvão, e a Vital Engenharia Ambiental e dos espólios dos políticos Sérgio Guerra (PSDB/PE) e Eduardo Campos (PSB/PE), que já morreram.

Leia também: Joice adota tom conciliatório por reforma administrativa: "Hora de arrefecer"

Em cumprimento à decisão do tribunal, a Justiça Federal de Curitiba determinou o bloqueio de valores correspondentes em R$ 1.894.115.049,55, nos casos do MDB , de Valdir Raupp, da Vital Engenharia Ambiental, de André Gustavo de Farias Ferreira, de Augusto Amorim Costa, de Othon Zanoide de Moraes Filho, Petrônio Braz Junior e do espólio de Ildefonso Colares Filho.

Também foram bloqueados R$ 816.846.210,75 do PSB ; R$ 258.707.112,76 de Fernando Bezerra Coelho e espólio de Eduardo Campos; de R$ 107.781.450,00 do espólio de Sérgio Guerra, de R$ 333.344.350,00 de Eduardo da Fonte; de até R$ 200.000,00 de Maria Cleia Santos de Oliveira e Pedro Roberto Rocha; de até R$ 162.899.489,88 de Aldo Guedes Álvaro e de até 3% do faturamento da Queiroz Galvão.

O bloqueio foi determinado por conta do procedência do recurso contra uma decisão proferida na ação civil pública de improbidade administrativa movida pela força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR) e Petrobras .

Leia também:  Eduardo Cunha será transferido para o complexo de Bangu 8 no Rio de Janeiro

O TRF4 ressaltou a necessidade de “garantir a efetividade do resultado final da ação – em que apurada a existência de um amplo esquema criminoso, com prejuízos expressivos para toda a sociedade.”