Tamanho do texto

Durante evento nos EUA, presidente da Câmara explica que não atua contra o governo Bolsonaro, mas que também não fará campanha aos congressistas

Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro com sinal de positivo
Marcos Corrêa/PR
Rodrigo Maia disse que não é contra o governo Bolsonaro, mas não pode agir sempre com as vontades do Planalto


O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, voltou a defender a Casa em evento sobre economia em Nova York, nos Estados Unidos, nesta terça-feira (14). Ao explicar os motivos pelos quais o governo Bolsonaro tenha sofrido derrotas em algumas votações, o político do Democratas falou de democracia e citou a Venezuela como exemplo a não ser seguido.

"O Brasil graças a Deus não é a Venezuela, por isso que o Congresso não aceita tudo o que vem do governo", defendeu Maia , arrancando risos de presentes ao evento.

Rodrigo Maia estavaacompanhado do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, que também defendeu a falta de diálogo com a sociedade antes de votações decisivas, como deve ser a reforma da Previdência nos próximos meses.

Maia já deu mostras e declarações de ser favorável a reforma da Previdência, mas também já provocou o presidente Jair Bolsonaro ao afirmar que a negociação com os deputados precisa ser feita também pelo Planalto e não pelo presidente da Câmara.