Tamanho do texto

Defesa do ex-presidente alega que Filipe Hille Pace atribuiu falsamente a Lula um codinome da planilha de propinas da Odebrecht; delegado nega

ex-presidente Lula
Paulo Pinto/Agência PT - 13.7.17
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumpre pena na Superintendência da PF em Curitiba

O juiz Luiz Antonio Bonat, que assumiu o lugar de Sérgio Moro na Operação Lava Jato, negou o pedido da defesa do ex-presidente Lula para afastar o delegado da Polícia Federal Filipe Hille Pace, que investiga o petista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Leia também: Mortes, impasses jurídicos e fracasso eleitoral marcam um ano de Lula na prisão

A defesa de Lula entrou com três requerimentos para pedir a suspeição do delegado, alegando que Pace apontou que o codinome "amigo’" em uma das planilhas destinada a controle de propinas pela Odebrecht  representava o ex-presidente. "O delegado citou o nome de Lula muito embora ele nem mesmo constasse como investigado naquele apuratório", justificou a defesa.

Os advogados informaram a Bonat que entraram com uma ação de reparação de danos contra o delegado, que inviabilizaria sua atuação nas investigações por "violação à legalidade à impessoalidade". Pace, por sua vez, afirmou ao juiz que não havia fundamento legal na ação da defesa e que a causa da suspeição teria sido criada pela própria. 

O delegado disse ainda que "não é inimigo" do ex-presidente ou de seus advogados e não tem interesse no arquivamento da investigação, condenação ou absolvição do petista. "Este delegado, nos limites de suas atribuições legais e constitucionais, busca apenas apurar a verdade dos fatos, em tese, criminosos", argumentou. 

Leia também: E agora, PT? Partido patina entre o ‘Lula Livre’ e perda de força na oposição

Bonat decidiu que, na fase de inquérito, cabe à autoridade policial reconhecer sua própria suspeição e que não há previsão legal para que um juiz tome essa decisão. “Importante destacar, que na resposta apresentada pelo Excepto fica delineada a inexistência de motivo a fundamentar a eventual suspeição”, apontou o magistrado.

A prisão de Lula , condenado a 12 anos por corrupção e lavagem de dinheiro, completou um ano neste domingo (7).  Manifestações contra e a favor do ex-presidente tomaram conta das ruas de pelo menos dezessete capitais brasileiras. 


    Leia tudo sobre: Lula