Tamanho do texto

Deputado federal foi às redes sociais para celebrar a não nomeação de Ilona Szabó e também a exoneração do desarmamentista Renato Sérgio de Lima

Eduardo Bolsonaro celebrou recuo de Sérgio Moro nas redes sociais
Wilson Dias/ Agência Brasil
Eduardo Bolsonaro celebrou recuo de Sérgio Moro nas redes sociais

O deputado federal e filho do presidente da República Eduardo Bolsonaro comemorou, através de suas redes sociais, o recuo do ministro Sérgio Moro na nomeação da especialista em segurança pública Ilona Szabó para Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Eduardo também celebrou a exoneração do diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública Renato Sérgio de Lima, a quem chamou de desarmamentista.

Leia também: “Nenhum filho meu manda no governo", afirma Bolsonaro

"Após exonaração de Ilana Szabó outro que era contra o projeto anti-crime de Moro pede para sair. O desarmamentista Renato Sérgio de Lima, do Conselho Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, dispensou-se em solidariedade a Szabó", escreveu Eduardo Bolsonaro , que utilizou a hashtag #grandedia, fazendo alusão à saída do ex-deputado Jean Wyllys do Brasil, que também foi celebrada pela família do presidente nas redes.





Em outra postagem, Eduardo atacou Renato Sérgio de Lima, dizendo que pessoas como o ex-diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública seriam responsáveis pelos altos números da violência no Brasil. "Elegemos Bolsonaro p/ fazer o contrário, não para ser bom moço com quem sempre se lixou para nossas vidas e a de nossos policiais", escreveu Eduardo. As postagens aconteceram apenas um dia após o presidente dizer que "nenhum filho mandaria no governo."


Na última quinta-feira (28), o ministro da Justiça e Segurança Pública , Sérgio Moro, revogou a nomeação da  Ilona Szabó de Carvalho como membro suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. A decisão ocorreu após uma forte pressão de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL) nas redes sociais.

"Diante da repercussão negativa em alguns segmentos, optou-se por revogar a nomeação, o que foi previamente comunicado à nomeada e a quem o Ministério respeitosamente apresenta escusas", diz a nota do ministro  Sérgio Moro  .

Mesmo recuando da indicação, o ministro defendeu a nomeação de Szabó para o órgão. "A escolha foi motivada pelos relevantes conhecimentos da nomeada na área de segurança pública e igualmente pela notoriedade e qualidade dos serviços prestados pelo Instituto Igarapé", escreveu Moro na nota.

Leia também: Prefeitos anunciam apoio ao projeto de lei anticrime de Moro

Após a decisão, o diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública , Renato Sérgio de Lima, pediu exoneração da vaga que ocupa no Conselho "em caráter irrevogável e em solidariedade" a Ilona, que, para ele, "foi colocada em uma situação constrangedora".

Ilona Szabó foi criticada por apoiadores de Bolsonaro por ser contra o afrouxamento das regras de acesso a armas. Ela também já havia criticado o pacote anticrime de Moro ao considerar preocupante, entre outras coisas, as medidas que tendem a ampliar o direito à legítima defesa.

Na quarta-feira, a nomeação da especialista foi um dos assuntos mais comentado no Twitter. Críticos da nomeação promoveram a hashtag #Ilonanão. Nas publicações, militantes pró- Bolsonaro atacaram Moro ao ressaltar que Szabó tem posições divergentes do governo com relação a temas como armamento e política de drogas. Nesta quinta-feira, após o anúncio da revogação, a hashtag #obrigadoMoro foi levantada pelos militantes. Já a oposição usou #MoroBundaMole para criticar a decisão.