Tamanho do texto

Defesa do ex-presidente voltou a suscitar a suspeição de Sérgio Moro para julgar o petista, depois que o magistrado aceitou ser ministro de Bolsonaro

Pedido de liberdade de Lula ainda requer que sejam suspensas outras ações penais contra o petista
Ricardo Stuckert
Pedido de liberdade de Lula ainda requer que sejam suspensas outras ações penais contra o petista

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar em dezembro mais um pedido de liberdade feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O pedido de liberdade de Lula foi liberado para julgamento nesta terça-feira (27) pelo relator, ministro Edson Fachin .

A data de julgamento será definida pelo presidente da turma, Ricardo Lewandowski, responsável pela pauta de julgamentos do colegiado. Fachin sugeriu que o julgamento da liberdade de Lula ocorra no próximo dia 4 de dezembro.

Lula está preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, após ter sua condenação confirmada pelo TRF4, que impôs pena de 12 anos e um mês de prisão ao ex-presidente, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

No pedido ao STF , a defesa de Lula volta a suscitar a suspeição do juiz Sérgio Moro para julgar Lula. Os argumentos foram reforçados após o magistrado ter aceitado o cargo de ministro da Justiça no governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Leia também: Ministro do STJ nega recurso para anular condenação de Lula no caso do tríplex

Os advogados de Lula querem que seja reconhecida a suspeição de Moro para julgar processos contra o ex-presidente e que sejam considerados nulos todos os atos processuais que resultaram na condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP).

O pedido ainda requer que sejam suspensas outras ações penais contra Lula que estavam sob a responsabilidade de Sérgio Moro , como as que tratam de suposto favorecimento por meio da reforma de um sítio em Atibaia (SP) e de supostas propinas da empresa Odebrecht.

“Lula está sendo vítima de verdadeira caçada judicial entabulada por um agente togado que se utilizou indevidamente de expedientes jurídicos para perseguir politicamente um cidadão, buscando nulificar, uma a uma, suas liberdades e seus direitos”, afirmam os advogados.

Leia também: Lava Jato denuncia Lula por lavagem de R$ 1 milhão ligado à Guiné Equatorial

Em entrevista concedida no último dia (6), Moro rebateu os argumentos da defesa, que pede a  liberdade de Lula . "Isso [o convite para ser ministro] não tem nada a ver com o processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele foi condenado e preso porque cometeu um crime e não por causa das eleições", defendeu-se o juiz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.