undefined
Tomaz Silva/Agência Brasil - 7.9.18
Agressor de Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira foi transferido pela Polícia Federal neste sábado

O diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, reuniu-se neste sábado (8) com representantes das campanhas de quatro candidatos à Presidência da República. O encontro ocorre dois dias após o presidenciável  Jair Bolsonaro (PSL) ter sido esfaqueado durante ato de sua campanha em Juiz de Fora (MG).

Regresso às pressas de viagem oficial aos Estados Unidos, Galloro confirmou aos emissários de Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) que a Polícia Federal disponibilizará efetivo maior de agentes que atuam na segurança dos candidatos que solicitaram esse serviço junto à Justiça Eleitoral. A campanha de Jair Bolsonaro também foi convidada a participar da reunião, mas não enviou nenhum representante.

Em nota, a PF comunicou que a disponibilização de mais policiais para proteger os candidatos decorre "elevação do nível de alerta provocado por evento crítico no decorrer da campanha".

De acordo com informação transmitida por um assessor da campanha de Marina, o diretor-geral da PF confirmou durante a reunião que seria aumentado de 21 para 25 o número máximo de agentes da corporação que acompanham os candidatos durante suas agendas públicas.

Leia também: Advogado de agressor de Bolsonaro defendeu Bola no caso Bruno

Polícia Federal investiga ataque a Bolsonaro

undefined
Divulgação/Flávio Bolsonaro
Jair Bolsonaro está estável e já pode se sentar; segundo filho, candidato iniciou fisioterapia

O aumento nas ações de segurança dos presidenciáveis havia sido  determinado ainda na quinta-feira (6) pelo presidente Michel Temer (MDB) e confirmado ontem pelo ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann.

A medida é uma reação ao ataque a faca sofrido por Bolsonaro durante um comício. O candidato do PSL passou por cirurgia horas após o atentado e hoje está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. De acordo com o último boletim médico divulgado pela unidade, Bolsonaro está consciente e em recuperação. Ele segue internado na unidade de terapia intensiva do hospital.

O responsável pelo ataque, Adelio Bispo de Oliveira, foi preso em flagrante logo após o ato e foi  transferido na manhã deste sábado para um presídio federal em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

A Polícia Federal investiga se Adelio recebeu ajuda ou se agiu por conta própria. Jungmann confirmou ontem que, além de Adelio, outras duas pessoas estão sendo investigadas . O ministro, no entanto, reconheceu que a hipótese mais provável é de que o agressor tenha agido como um "lobo solitário".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários