Tamanho do texto

Ministério Público Federal acusa ex-governador e mais quatro acusados de crimes de corrupção praticados na contratação de obras da Odebrecht

Cabral é denunciado 25ª vez na Operação Lava Jato por corrupção passiva envolvendo a construtora Odebrecht
Antônio Cruz/Arquivo/ Agência Brasil
Cabral é denunciado 25ª vez na Operação Lava Jato por corrupção passiva envolvendo a construtora Odebrecht

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou a 25ª denúncia contra o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral . Desta vez, a investigação apura o suposto pagamento de R$ 78,9 milhões em propina da empreiteira Odebrecht ao ex-governador.

Além de Sérgio Cabral , foram denunciados ainda o ex-secretário de Estado Wilson Carlos, o ex-secretário de Obras Hudson Braga, o ex-assessor da Secretaria de Obras do Rio de Janeiro Wagner Jordão, e o diretor da Riotrilhos Heitor Lopes. O grupo é acusado de crimes de corrupção passiva praticados na contratação de obras.

A denúncia é fruto das operações Calicute, Eficiência e Tolypeutes – realizadas pela Força Tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro – que, segundo o MPF, confirmam a existência de uma organização criminosa estruturada no governo do estado durante a gestão de Cabral.

De acordo com os procuradores, logo após assumir o governo em 2007, o ex-governador e Wilson Carlos solicitaram à Odebrecht o pagamento de uma mesada no valor de R$ 1 milhão.

Além disso, o MPF afirma que foi identificado o pagamento de R$ 1,4 milhões a Hudson Braga, com a anuência de Cabral e a participação de Wilson Carlos e Wagner Jordão, a título de taxa de oxigênio. O valor corresponde a 1% do pago pelas obras do PAC Favelas – Alemão e Arco Metropolitano, distribuído em parcelas mensais para “oxigenar” a estrutura da Secretaria de Obras.

Heitor Lopes, por sua vez, é acusado de receber, ao menos, R$ 1,2 milhão em vantagem indevida, correspondente a 0,125% dos pagamentos recebidos pela Odebrecht pelas obras da linha 4 do metrô do Rio de Janeiro.

Leia também: Adriana Ancelmo recebeu “delivery” de ceia de Natal no presídio, diz MP

Todos os pagamentos eram realizados pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht. Nas planilhas de registro da empreiteira, Cabral era identificado com o codinome Proximus.

Situação de Sérgio Cabral

Sérgio Cabral está preso complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro
Fernando Frazão/Agência Brasil - 17.11.16
Sérgio Cabral está preso complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro

Considerando ações da Lava Jato e desdobramentos da operação, Cabral já foi denunciado 25 vezes. Em cinco delas, já foi condenado. Atualmente, ele está preso complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro. Em nenhuma delas, porém, o ex-governador foi absolvido até agora.

Leia também: Cabral recorre a Temer para ser transferido para batalhão da PM

Por enquanto, as penas impostas ao ex-governador chegaram a 100 anos e 8 meses de prisão. Quatro sentenças de Sérgio Cabral foram assinadas por Bretas. Na primeira, o emedebista foi condenado a 45 anos e 2 meses — a maior pena imposta em primeira instância em processo ligado à operação "Lava Jato". Na segunda, por sua vez, recebeu penalidade de 13 anos, e na terceira, pena de 15 anos. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.