Tamanho do texto

Ex-prefeito de Belo Horizonte havia registrado sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 15 de agosto, mesmo após a Executiva Nacional do partido ter dito que não teria candidato ao governo estadual

Em uma carta divulgada à imprensa, Marcio Lacerda afirma que a
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Em uma carta divulgada à imprensa, Marcio Lacerda afirma que a "velha política" retirou a candidatura dele

O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) afirmou que o partido retirou sua candidatura para o governo de Minas Gerais. Em uma carta divulgada à imprensa, Lacerda afirma que a "velha política" retirou a candidatura dele. Ele anunciou ainda sua desfiliação da sigla.

Marcio Lacerda havia registrado sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 15 de agosto, mesmo após a Executiva Nacional do partido ter dito que não teria candidato ao governo estadual. 

“A cúpula do PSB e do PT conspiraram para retirar a minha candidatura a Governador de Minas Gerais , impedindo a desvinculação definitiva do tradicional papel de braço do PT, desempenhado pelo PSB”, explicou Lacerda.

Na carta, o candidato afirmou ainda que "a impossibilidade do julgamento definitivo do assunto, desenhada nos últimos dias no âmbito da Justiça Eleitoral, conduz esta insegurança jurídica até a véspera do 1º turno, o que me leva a retirar minha candidatura". 

O impasse sobre a candidatura de Lacerda começou no dia 3 de agosto, após a Executiva Nacional do PSB dissolver a comissão provisória no estado, que apoiava a candidatura do ex-prefeito de Belo Horizonte ao governo.

A dissolução ocorreu devido ao acordo do PSB com o PT nacional . Pelo acordo, os petistas passaram a apoiar o PSB em quatro estados em troca da neutralidade do partido na eleição presidencial. Ficou acertado, ainda, que o PSB não teria candidato ao governo em Minas.

No entanto, mesmo após a dissolução, a comissão estadual que foi destituída realizou convenção no dia 4 de agosto e aprovou o nome de Lacerda como candidato. A reunião foi marcada por empurra-empurra e bate-boca, e a Polícia Militar foi chamada.

Já no dia 5 de agosto, a comissão que havia sido instituída dois dias antes e que é presidida por Renê Vilela, também realizou uma convenção e aprovou não ter nenhum candidato do partido ao governo de Minas Gerais.

Leia também: TSE recua e intima partidos a detalharem os bens declarados pelos candidatos

Nesta terça-feira (21), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem um julgamento de um recurso de Lacerda. Ainda não se sabe se o julgamento deste recurso será mantido. De acordo com o TRE-MG, após Lacerda homologar a renúncia, o MDB, partido de Adalclever Lopes, candidato a vice-governador na chapa de Marcio Lacerda , pode pedir para assumir a chapa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.