Tamanho do texto

Candidato à vice-presidência contestou a recém-empossada presidente do TSE sobre declaração de inelegibilidade: "Estamos do lado da Constituição"

Ricardo Stuckert
"Parece que todas as instituições resolveram criar um direito paralelo para tratar do Lula", disse Fernando Haddad

O candidato a vice-presidente na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Fernando Haddad, confrontou as  declarações da recém-empossada presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, acerca da possibilidade de a corte indeferir o pedido de uma candidatura mesmo sem ter recebido questionamentos.

Com agenda cheia nesta quarta-feira (15) por conta do registro da candidatura de Lula , que deve ser feito junto à Justiça Eleitoral no fim desta tarde, Fernando Haddad disse esperar que "prevaleça a jurisprudência firmada pelo tribunal" sobre os indeferimentos de candidaturas. "Acredito que não haja precedência para isso", disse o ex-ministro sobre a proposta de Rosa Weber.

"O registro da candidatura do Lula está sendo tratado como um gesto de afronta à lei, quando na verdade quem está afrontando a lei são eles em relação ao texto constitucional. Nós queremos Justiça, não estamos pedindo favor", declarou Haddad em evento de lançamento de livro sobre a caravana de Lula pelo Nordeste, no apartamento funcional do deputado Carlos Zaratini (PT-SP) em Brasília. 

"Não é um ato de desobediência à lei. Ao contrário: temos segurança de que nós estamos do lado da Constituição e do povo brasileiro", reforçou Haddad mais cedo, em visita aos cinco militantes que estão em greve de fome desde o dia 31 de julho em protesto pela soltura do ex-presidente Lula. 

Haddad voltou ainda a defender que Lula foi condenado injustamente e disse que o ex-presidente é vítima de um "direito paralelo". "É uma situação de estado de exceção. Parece que todas as instituições resolveram se organizar e criar um direito paralelo para tratar do presidente Lula. Parece que o direito que vale para todos nós não vale para ele", afirmou.

Leia também: Moro adia para depois da eleição depoimento de Lula no caso do sítio de Atibaia

Lula tem direito de estar nas eleições, defende Fernando Haddad

PT quer Fernando Haddad representando Lula em debates eleitorais na TV e rádio
Divulgação
PT quer Fernando Haddad representando Lula em debates eleitorais na TV e rádio

O registro da candidatura de Lula, que neste primeiro momento terá como vice o ex-ministro Haddad (futuramente, a jornalista Manuela D'Ávila [PCdoB] assumirá esse posto), não deve ser apenas o cumprimento de um rito burocrático, mas sim um ato político.

Leia também: MPF diz que Lula faz da prisão seu "comitê de campanha" e quer barrar Gleisi

O PT convocou sua militância para marchar até a sede do TSE em Brasília com o objetivo de representar "uma forte reação" à "perseguição judicial que vem sendo imposta ao ex-presidente com objetivo de tirá-lo da disputa eleitoral", conforme nota divulgada pelo PT.

Fernando Haddad e o Partido dos Trabalhadores defendem o entendimento de que, apesar de ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa ao ser condenado por órgão colegiado de segunda instância, Lula pode participar da eleição pois a lei contém brecha que autoriza candidaturas de condenados, desde que haja "plausabilidade jurídica" em seus recursos nas instâncias superiores.

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.