Jair Andreoni diz ter sido impedido de se candidatar por conta de acordo entre Levy Fidelix e Major Olímpio em torno da aliança Bolsonaro-Mourão

Convenção nacional do PRTB definiu general Hamilton Mourão como candidato a vice de Bolsonaro
Divulgação/Levy Fidelix
Convenção nacional do PRTB definiu general Hamilton Mourão como candidato a vice de Bolsonaro

O ex-deputado estadual Jair Andreoni, do PRTB, promete ir à Justiça Eleitoral pedir a impugnação do general  Hamilton Mourão como candidato a vice de Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial de outubro. A revolta de Andreoni se deve a uma alegada "traição" promovida pelo presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix, em torno da aliança para formar a chapa com o ex-deputado federal e militar da reserva do Exército.

De acordo com Andreoni, ele foi escolhido para ser o candidato do partido ao Senado durante a convenção paulista do PRTB, realizada no último dia 29. Já na convenção nacional da legenda, ocorrida no domingo (5), ele diz ter sido impedido de levar adiante sua candidatura pois isso ia contra o acordo costurado por Levy para garantir ao general Mourão o posto de  vice de Bolsonaro .

O argumento de Andreoni para pedir na Justiça Eleitoral a impugnação da chapa de Bolsonaro é o de que a ata da convenção nacional do PRTB não inclui sua candidatura, que estava prevista na ata firmada na convenção estadual.

O ex-deputado estadual usou as redes sociais para expressar sua revolta com o presidente nacional do PRTB – chamado por ele de "traidor", "canalha", "cafajeste" e "lixo humano", dentre outros adjetivos. Segundo Andreoni, o veto à sua candidatura teria sido uma demanda do Major Olímpio, que integra os quadros do PSL (o partido de Bolsonaro) e se candidatá ao cargo de senador.

"O pedido de impugnação da chapa do Jair Bolsonaro se deve à truculência e atitude anti-democrática do candidato Major Olímpio exigindo a retirada do já candidato eleito em convenção estadual ao Senado Federal Jair Andreoni", escreveu o próprio.

Ex-deputado ataca acordo por vice de Bolsonaro

General da reserva do Exército Antonio Hamilton Martins Mourão foi escolhido para ser vice de Bolsonaro
Divulgação/Exército Brasileiro - 7.7.14
General da reserva do Exército Antonio Hamilton Martins Mourão foi escolhido para ser vice de Bolsonaro

Em vídeo, Andreoni disse estar "desapontado" com a permissividade de Bolsonaro com essa suposta "traição". "Como é que o candidato dele [Major Olímpio] pode forçar a minha saída de candidato eleito em convenção? Para fazer uma aliança, eles exigem a minha saída? Isso não é coisa de gente séria que quer administrar bem o País. Gente bem intencionada não passa rasteira e nem ajuda a passar rasteira nos outros", lamentou.

Além de trazer Mourão para ser o vice de Bolsonaro , o acordo tecido entre PSL e PRTB também previa, segundo Andreoni, "facilitar a candidatura" de Rodrigo Tavares, genro de Levy, ao Palácio dos Bandeirantes em São Paulo. "Foi uma atitude rasteira do senhor presidente do partido PRTB, Levy Fidelix, em aceitar tal proposta para facilitar a candidatura do seu genro ao Governo do Estado de São Paulo. A convenção estadual é soberana ato jurídico, justo e perfeito", finalizou Andreoni.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.