Tamanho do texto

Em evento realizado nesta segunda-feira (6), partido nomeou a senadora pelo Tocantins como companheira de Ciro Gomes na chapa "pura"

Ciro Gomes e Kátia Abreu em evento do PDT nesta segunda-feira (6), quando senadora foi nomeada candidata a vice
Reprodução/Twitter Ciro Gomes
Ciro Gomes e Kátia Abreu em evento do PDT nesta segunda-feira (6), quando senadora foi nomeada candidata a vice

A senadora Kátia Abreu (TO) tornou-se candidata oficial a  vice-presidente pelo PDT na manhã desta segunda-feira (6). No fim de semana, o presidente do partido, Carlos Lupi, havia confirmado a informação após especulações sobre a "chapa pura" da sigla. 

Kátia Abreu apresentou-se ao lado de Ciro Gomes em coletiva de imprensa realizada hoje em Brasília. Na ocasião, o candidato ao Planalto elogiou a colega, dizendo que ela tem "o nome limpo". 

Ao se apresentar oficialmente, a senadora afirmou que será "uma vice disciplinada, a exemplo de meu amigo Marco Maciel [PFL, hoje DEM, vice de Fernando Henrique Cardoso]", declarou. Ela também lamentou de que a chapa não conte com muitas coligações, mas disse que irá acompanhar Ciro "nas tempestades" e no "céu limpo".

Leia também: Partidos definem 13 candidatos ao Planalto, mas número pode cair; veja as chapas

Kátia ainda defendeu que escolhera Ciro como candidato antes mesmo de se filiar ao PDT, já que considera que ele se preparou para se lançar ao Planalto. 

Pelo Twitter, o candidato à Presidência também elogiou o trabalho da senadora, que é ex-ministra da Agricultura , Pecuária e Abastecimento do governo de Dilma Rousseff. 

Com a escolha por alguém 'de casa', o PDT se lança na corrida presidencial com apenas uma sigla coligada, o Avante. Alguns diretórios estaduais do PSB já demonstraram que vão apoiar a candidatura dele, porém não de maneira formal, uma vez que o partido optou por não se coligar de maneira oficial com nenhum candidato.  

Leia também: Ciro Gomes nega ser possível vice de Lula e diz que PT vive “viagem lisérgica”

Kátia Abreu  é filiada à sigla desde o ano passado, logo depois de ser expulsa do MDB por criticar o impeachment de Dilma e se opor ao presidente Michel Temer. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.