Tamanho do texto

Candidato do MDB, Skaf ultrapassou Doria (PSDB), pontuando 22% nas pesquisas contra 21% do ex-prefeito. Tecnicamente, situação é de empate

Skaf e Doria lideram, empatados, a disputa pelo governo de SP; Márcio França (PSB), que foi vice-governador de Alckmin , está empatado com Luiz Marinho
Reprodução/Facebook
Skaf e Doria lideram, empatados, a disputa pelo governo de SP; Márcio França (PSB), que foi vice-governador de Alckmin , está empatado com Luiz Marinho

Adversários na disputa pelo governo de São Paulo, o ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) e o presidente licenciado da Federação da Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (MDB) estão empatados na corrida pelo palácio dos Bandeirantes. Skaf e Doria seguem em empate técnico, embora o emedebista ultrapasse o tucano em 1% das intenções de voto.

Leia também: “Descompromisso de Doria impactará nas eleições estaduais”, diz Luiz Marinho

De acordo com uma pesquisa do Ibope divulgada na noite desta sexta-feira (3) pela TV Bandeirantes, Skaf conta com 22% das intenções de voto, contra 21% de Doria. Skaf e Doria devem se enfrentar nos debates eleitorais que têm início já na próxima semana.

Atrás dois dois líderes, surgem, empatados, o atual líder do governo de São Paulo , Márcio França (PSB) e Luiz Marinho (PT), com 3% das intenções cada.

Numa projeção do Ibope sobre o segundo turno das eleições, Skaf venceria tanto Doria (36% a 32%) quanto França (44% a 17%). 

Leia também: Doria compra viela que havia anexado irregularmente em Campos do Jordão

Votos brancos e nulos estão no horizonte de 32% dos eleitores, enquanto 11% disseram não saber em quem votar. 

Bem cotado no interior do estado mas altamente rejeitado na capital, Doria liderava a pesquisas nos últimos levantamentos, mas sua candidatura tem enfrentado oscilações para baixo. 

Já Skaf, embora seja aliado de Michel Temer, que sofre com baixas tachas de aprovação junto aos brasileiros, não se contaminou, por hora, com a má fama de seu correligionário.

Skaf e Doria , no entanto, se aproximam em propostas sobre privatização no estado, bem como convergem em planos sobre a previdência social. Os dois, também, devem apoiar o ex-governador Geraldo Alckmin nas eleições presidenciais de 2018.

Leia também: Governador de SP Márcio França ajuda a negociar com caminhoneiros

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.