Tamanho do texto

PSL, partido de Bolsonaro, acompanhou o governo Temer em 67% das votações na Câmara em 2018; marca ultrapassa o próprio partido do mandatário, o MDB, que votou junto de Temer em 64% das questões

Partido de Bolsonaro é o mais fiel a Temer em votações na Câmara em 2018
Wikimedia Commons
Partido de Bolsonaro é o mais fiel a Temer em votações na Câmara em 2018

O deputado federal e pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro procura se apresentar ao eleitorado como um político diferente de todos os outros. O PSL, contudo, partido de Bolsonaro na corrida pelo Planalto, prima pela fidelidade ao governo de Michel Temer.

Leia também: Jair Bolsonaro é confirmado como candidato à Presidência da República pelo PSL

De acordo com um levantamento realizado pela consultoria Arko Advice, o partido de Bolsonaro , que conta com oito deputados, foi o mais fiel a Temer em votações na Câmara em 2018 – ultrapassado o PSDB de Geraldo Alckmin, os partidos do chamado ‘centrão’ e o próprio MDB de Temer.

Em 67,73% das votações de pautas de interesse do governo na Câmara dos Deputados o PSL votou como queria Temer. Atrás dele vêm o MDB, em sintonia com o governo em 64,34% das votações. O PSDB ocupa o terceiro lugar no ranking de fidelidade ao governo, acompanhando Temer e 63% das votações.

Entre as pautas respaldadas pelo PSL de Bolsonaro está a lei que permite a venda direta de petróleo do pré-sal pertencente à União e a abertura de crédito especial ao poder Executivo superior a R$ 430 milhões, entre outros temas.

Ainda de acordo com o levantamento, os partidos que apresentam maior resistência às demandas do governo são o PDT de Ciro Gomes , que respaldou Temer em 23% das votações, a Rede de Marina Silva, apoiando pautas do governo em 18% dos pleitos na Câmara, e o PT, que apoiou o governo em apenas 5% das votações.

Leia também: Magno Malta recusa convite para ser vice de Bolsonaro na chapa presidencial

Cotada como vice pelo partido de Bolsonaro, Janaína resiste

Partido de Bolsonaro tem tido dificuldades para encontrar vice
Reprodução/Twitter
Partido de Bolsonaro tem tido dificuldades para encontrar vice

Se do ponto de vista das votações no Congresso Bolsonaro não se distância dos demais políticos, suas falas e posicionamentos públicos têm causado aversão entre as lideranças partidárias.

Terceiro pessoa a ser procurada para ocupar a vaga de vice de Bolsonaro (PSL), a advogada Janaína Paschoal pode engrossar a lista de “nãos” recebida pelo deputado federal em sua jornada em busca de alianças políticas.

Cotada como vice pelo partido de Bolsonaro , Janaína alegou que problemas familiares a impossibilitariam de aceitar o convite do militar reformado. Se ela decidir por não compor a chapa, não será o primeiro “não” ouvido pelo deputado nas últimas semanas. O congressista mantinha a esperança de ter o senador Magno Malta (PR) como vice, mas ele recusou a posição para se candidatar à reeleição no Senado. Bolsonaro, então, foi atrás de Augusto Heleno, general reformado do Exército, que tampouco se interessou pela vaga.

Leia também: General nega que será vice de Bolsonaro: “Partido não tem interesse em vaga”