Tamanho do texto

PF e PGR requereram 60 dias para a conclusão da investigação no inquérito sobre suposto repasse de R$ 30 milhões da Odebrecht ao candidato tucano em 2014, para que influenciasse em decisão sobre hidrelétricas; veja mais

 PF e a PGR tinham pedido mais 60 dias para concluir a investigação contra Aécio Neves, mas STF concedeu 30 dias
Marcos Oliveira/Agência Senado - 22.11.17
PF e a PGR tinham pedido mais 60 dias para concluir a investigação contra Aécio Neves, mas STF concedeu 30 dias

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, concedeu mais 30 dias para que a investigação contra Aécio Neves (PSDB-MG) seja concluída pela Polícia Federal e pela Procuradoria-Geral da República, no inquérito que apura supostos repasses irregulares da Odebrecht ao então candidato, em 2014.

Leia também: Aécio Neves depõe em investigação da Lava Jato sobre repasse de empreiteiras

Inicialmente, a PF e a PGR tinham pedido mais 60 dias para concluir a investigação contra Aécio Neves , mas a ministra decidiu liberar apenas 30 dias. Para Cármen Lúcia, o período é suficiente para “evitar dilações processuais indevidas”.

A presidente do STF estava de plantão nessa sexta-feira (13) e, por isso, foi quem decidiu pelo prazo de prorrogação. Normalmente, seria o ministro Edson Fachin a atender o requerimento, uma vez que é o relator dos processos da Operação Lava Jato na Corte.

Investigação sobre Aécio Neves em campanha

O inquérito investiga o suposto r ecebimento de R$ 30 milhões da Odebrecht para que o senador influenciasse o andamento dos projetos de hidrelétricas do Rio Madeira, as usinas de Santo Antônio e Jirau. O dinheiro teria sido repassado durante a campanha do tucano à presidência , em 2014. Além da Odebrecht, também é apurada a propina de R$ 20 milhões pela Andrade Gutierrez.

Leia também: STF decide tornar Aécio Neves réu por corrupção e obstrução à Justiça

Em abril deste ano, Aécio prestou depoimento sobre esse inquérito na sede da Polícia Federal, em Brasília. Na ocasião, o advogado de defesa Alberto Zacharias Toron destacou que os “próprios delatores [das empreiteiras na Operação Lava Jato] afirmaram nos depoimentos que as contribuições financeiras feitas pela Odebrecht às campanhas do PSDB nunca estiveram vinculadas a qualquer contrapartida”.

Em depoimentos de delação premiada, o ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht e outros executivos do grupo disseram que o senador recebeu propina para atuar favoravelmente aos interesses da empresa. O objetivo, segundo os delatores, seria obter apoio parlamentar para a construção das usinas hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira, em Rondônia.

Leia também: Joesley diz que pagou 'mesada' de R$ 50 mil ao longo de dois anos a Aécio Neves

A investigação contra Aécio Neves foi autorizada pelo STF após a abertura de 76 inquéritos no ano passado por Fachin, com base nos depoimentos de delação premiada de ex-executivos da empresa.