Tamanho do texto

Pré-candidato à Presidência da República pelo PSL, deputado federal usou o seu sogro, apelidado de Paulo Negão, como exemplo para o fim do racismo

Deputado federal Jair Bolsonaro disse que não existe racismo no Brasil, em um hotel na praia de Iracema
Wikimedia Commons
Deputado federal Jair Bolsonaro disse que não existe racismo no Brasil, em um hotel na praia de Iracema





O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), pré-candidato à Presidência da República nas eleições deste ano, afirmou, com todas as letras, que não existe racismo no Brasil. A declaração do parlamentar foi dada em evento em Fortaleza, nessa quinta-feira (28). 

Leia também: Partido de Bolsonaro em SP é suspenso por irregularidades

"Aqui no Brasil, não existe isso de racismo, tanto é que meu sogro é Paulo Negão e, quando eu vi a filha dele, não queria saber quem era o pai dela”, afirmou Bolsonaro. O deputado se dirigia a uma plateia de cerca de 15 mil pessoas, quando disse que não existe racismo no País, em um hotel na praia de Iracema.

A viagem do deputado foi marcada ainda por críticas ao programa Mais Médicos, do Governo Federal, que, segundo ele, seria uma alternativa para Cuba exportar ao Brasil guerrilheiros “fantasiados de médicos”. 

Diz que não existe racismo, mas é acusado do crime

Ainda ontem, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, encaminhou um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) em que rebate as alegações da defesa do deputado declarações feitas em abril do ano passado contra indígenas, refugiados e quilombolas .

Segundo a procuradora-geral, a denúncia contra o pré-candidato às eleições de 2018 deve ser aceita pelo STF - ao contrário do que diz a defesa, que argumenta ser "apenas opinião política". 

O parecer de Dodge aponta que o discurso do deputado, mesmo no contexto pretensamente jocoso que ele busca empregar e defender, "ultrapassam a liberdade de pensamento e transbordam para o conteúdo discriminatório e preconceituoso dos grupos aos quais ofende".

Assim, a procuradora-geral defende que a denúncia contra Bolsonaro  é válida, uma vez que se adequa aos núcleos contidos no Artigo 20 da Lei nº 7.716/1989, como “praticar”, “induzir” e “incitar” a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Ou seja, embora Jair Bolsonaro defenda que não existe racismo no País, ele é justamente réu em uma denúncia por esse crime.

Leia também: Bolsonaro decide não participar de debates no 1º turno das eleições

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.