Tamanho do texto

Marcelo Rzezinski cumprirá medidas cautelares; Polícia Federal desarticulou um grande esquema de movimentação de ilícitos no Brasil e no exterior

Ministro do STF Gilmar Mendes já soltou e manteve a prisão de diversos investigados na  Operação Câmbio, Desligo
Carlos Moura/SCO/STF - 30.11.17
Ministro do STF Gilmar Mendes já soltou e manteve a prisão de diversos investigados na Operação Câmbio, Desligo

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar nesta segunda-feira (25) mais um investigado preso pela Polícia Federal na Operação Câmbio, Desligo, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro. Na operação, a PF investiga esquema de corrupção que atuava, por meio de doleiros.

Operação Câmbio, Desligo desarticulou um esquema de movimentação de ilícitos no Brasil e no exterior. As operações eram do tipo dólar-cabo, uma forma de movimentação paralela, sem passar pelo sistema bancário, de entrega de dinheiro em espécie, pagamento de boletos e compra e venda de cheques de comércio.

Com a decisão de Gilmar Mendes, Marcelo Rzezinski será libertado mediante o cumprimento de medidas cautelares, como proibição de deixar o país e de manter contato com outros investigados.

Denúncia do MPF

No último dia 7, o Ministério Público Federal denunciou 62 pessoas. Entre os denunciados estão o ex-governador Sérgio Cabral e o doleiro Dario Messer. O grupo é acusado de formar uma organização criminosa, que promoveu evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

De acordo com as investigações, o esquema teria começado na década de 1990. Com essa, Sérgio Cabral acumula 23 denúncias na Lava Jato. 

Leia também: Devido à violência no Rio, Fux autoriza Tribunal de Justiça antecipar expediente

No mês passado, essa mesma operação prendeu 30 pessoas em quatro estados. Os alvos eram doleiros suspeitos de movimentarem R$ 1,6 bilhão em 52 países.

O principal alvo desse desdobramento já era Darío Messer, apontado como o doleiro mais influente do País. Além da  Lava Jato , esse mesmo doleiro já foi investigado pelos esquemas do Banestado e do Mensalão.

De acordo com as primeiras informações dos procuradores, os suspeitos integravam um sistema chamado Bank Drop. Nesse sistema, os doleiros remetiam recursos ao exterior por meio de uma ação conhecida pelo mercado como 'dólar-cabo'.

Leia também: MPF denuncia Joesley Batista e Marcelo Miller por corrupção em acordo de delação

Esse é um método de enviar dinheiro ao exterior sem passar pelas instituições financeiras reguladas pelo Banco Central. Para se ter uma ideia do tamanho do esquema investigado na Operação Câmbio, Desligo , para a movimentação desse valor, três mil empresas offshore foram envolvidas. 

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.