Tamanho do texto

Assessoria afirma que, ao reabrir investigação contra Temer, o advogado da Polícia Federal está alimentando 'farsa'; tom do comunicado oficial é raivoso

Presidente Michel Temer teve seu nome envolvido com a empresa Rodrimar; ele fala em 'ficção policial'
Marcos Corrêa/PR
Presidente Michel Temer teve seu nome envolvido com a empresa Rodrimar; ele fala em 'ficção policial'

Frente às  investigações da Polícia Federal sobre o suposto envolvimento do presidente Michel Temer com a empresa Rodrimar – investigada por corrupção na edição do decreto dos portos , em 2017 –, o Planalto Federal afirmou, nesta quarta-feira (6), que o caso já "entrou no terreno na ficção policial".

"A investigação [...] entrou no terreno da ficção policial . Isso porque, na verdade, o decreto dos portos não trouxe nada em favor da empresa", disse oficialmente a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), a comunicação institucional de Michel Temer como presidente.

Segundo o texto, divulgado à imprensa na tarde de hoje, a planilha encontrada pela PF, que aponta possíveis pagamentos mensais de propina ao presidente, é um documento "sem origem e sem autor".

O documento, remetido sob sigilo de justiça ao STF em 15 de março, dias antes da deflagração da operação Skala, foi obtido pelo portal de notícias G1 . Porém, a Secom defende que "tal planilha já foi renegada pela pessoa que acabou, involuntariamente, anexando esse papel, sem origem e sem autor, ao processo".

Além disso, ao usar a planilha nas investigações, o delegado da PF estaria, segundo a Secom, produzindo "um fatasioso cenário de reconstrução arqueológica".

O raivoso comunicado da Secom diz ainda que, reabrir investigação contra o presidente, já arquivada duas vezes é alimentar "apenas uma imensa farsa".

Leia também: PF descobre R$ 23,6 milhões em contas de amigo de Temer

"Sem fatos novos ou provas, delegado tenta reabrir investigação já arquivada duas vezes pela Justiça por falta de provas", critica a nota.

Por fim, a Secretaria fez uma referência, em seu comunicado, ao complexo de estúdios da Rede Globo , anteriormente chamado de Projac . "Nada mais precisa ser dito sobre esse escândalo digno do Projac, a maior fábrica de ficções do País".

Investigações em torno de Temer e da Rodrimar

Temer é investigado nesse inquérito por supostamente ter recebido propina da Rodrimar, empresa que opera o Porto de Santos (SP), em troca de favorecimentos à empresa por meio do decreto assinado em maio do ano passado que regulamenta contratos de concessão e arrendamento do setor portuário.

Rocha Loures, que já foi gravado recebendo mala com R$ 500 mil de executivos da JBS, teria sido o responsável por retirar a propina da empresa para Temer. Os dois negam as acusações.

Para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Polícia Federal, existem indícios de corrupção no decreto dos portos, assinado por Temer em maio de 2017.

O coronel João Baptista Lima, amigo e ex-assessor do presidente, é apontado em delações premiadas de executivos da JBS como intermediário de Temer. Ele teria recebido, em nome do mandatário emedebista, R$ 1 milhão destinados à campanha presidencial de 2014.

Em sua defesa, sustentando o termo ' ficção policial ' usado pelo Planalto, Temer nega as acusações e  já falou publicamente em 'perseguição disfarçada de investigação' para argumentar contra a apuração da PF. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.