Tamanho do texto

Nova investida do governo Temer na matéria deve manter principal ponto de discórdia que levou a Câmara a engavetar medida provisória no mês passado

MP que regulamenta privatização da Eletrobrás demorou a sair devido à resistência política
Divulgação/Ministério do Planejamento
MP que regulamenta privatização da Eletrobrás demorou a sair devido à resistência política

O governo federal encaminhou ao Congresso Nacional um projeto de lei que abre caminho para a privatização de seis distribuidoras da Eletrobras, a estatal brasileirade energia elétrica, nas regiões Norte e Nordeste do País. O envio da matéria foi confirmado em publicação do  Diário Oficial da União  desta sexta-feira (1º).

Esta já é a  segunda tentativa do governo Michel Temer (MDB) em avançar com a venda das subsidiárias da Eletrobras . No mês passado, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), retirou da pauta da Casa uma medida provisória que alterava leis do setor elétrico, por falta de entendimento entre os parlamentares sobre a questão.

O repasse das empresas controladas pela estatal (Furnas, Companhia Hidrelétrica do São Francisco, Eletronorte, Eletrosul e Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica) à iniciativa privada tem encontrado resistência de políticos que não querem perder o loteamento de cargos no setor.

A expectativa é de que agora a nova proposta incorpore os principais pontos da medida provisória que empacou na Câmara. No entanto, o artigo que incluía a Eletrobras no Programa Nacional de Desestatizações (PND), maior alvo de críticas e divisões entre os parlamentares, deverá ficar fora do texto.

Leia também: Câmara analisa cortes propostos por Temer para baixar preço do diesel

Processo encontra obstáculos

Naquela primeira MP, o governo determinou que nenhum acionista poderia adquirir mais de 10% de poder do voto. O objetivo, segundo o Planalto, é evitar que outra companhia tome o controle da estatal. O projeto também previa que a União terá ações especiais na Eletrobras após a privatização, chamadas de “golden share”, que dão a seu detentor direitos como garantia de indicação de um membro do Conselho de Administração.

O processo de privatização da Eletrobras, anunciado em agosto do ano passado, já motivou longa disputa judicial no início deste ano. Um juiz de Recife (PE) vetou o plano do governo federal em janeiro , e a decisão foi mantida pelo Tribunal Regional Federal da Quinta  Região (TRF-5) apesar dos apelos da Advocacia-Geral da União (AGU). O caminhar do processo de concessão das subsidiárias da empresa estatal só foi retomado após decisão favorável ao governo do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.