Tamanho do texto

Presidente também se diz "iluminado" após entrar em um acordo com a categoria e que esse trato só foi feito por meio do "diálogo"; entenda

Em evento, Michel Temer também pediu para que orem por ele e pelo governo
Marcos Corrêa/PR - 4.8.2017
Em evento, Michel Temer também pediu para que orem por ele e pelo governo "Estarão orando pelo país"

Na presença de pastores da Igreja Assembleia de Deus de todo país, o presidente Michel Temer pediu orações e comemorou o fim da paralisação dos caminhoneiros, dando “graças a Deus” e dizendo se sentir “iluminado” com a resolução da crise.

Leia também: Greve dos caminhoneiros chega ao 11º dia e manifestações diminuem

Para Temer, que participou nesta quinta-feira (31) da Assembleia Geral Extraordinária da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil (Conamad), em Brasília, o diálogo foi a chave para conseguir entrar em acordo com a categoria.

“Graças a Deus, estamos encerrando a greve dos caminhoneiros por meio de uma atitude minha que tem sido criticada, o diálogo", disse o presidente. “Nós usamos o diálogo e a palavra. Chamamos as lideranças e, conectados com os estados, os governadores, e com a população, conseguimos chegar a um bom termo.”

Em seguida, Temer, acompanhado do novo ministro da Secretaria Geral da Presidência, Ronaldo Fonseca, e do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, acrescentou: “Peço que orem por mim e pelo governo. Estarão orando pelo país”.

Leia também: Após pedidos de intervenção militar em atos, MPF apura se houve violação da Lei

Violência

Ao lamentar a morte de um caminheiro atingido por uma pedra em Rondônia, o presidente ressaltou que a negociação foi pacífica com a categoria, que deflagrou a paralisação no último dia 21.

“Não houve violência por parte do Estado. Quando o diálogo começou a faltar, chamei as forças federais para pacificar o país. A única morte que houve foi por questões políticas, alguém atirou um tijolo e atingiu um caminhoneiro”, disse.

Desabafo

Antes de conversar com os pastores, Temer se reuniu com os 27 presidentes estaduais da Assembleia de Deus no Brasil. Na conversa, ele disse que mantém sobre a mesa dois livros: a Constituição Federal e a Bíblia Sagrada.

“Não foram poucas as vezes que abri a Bíblia, sem nenhuma intenção e, quando folheei uma página qualquer, lia um Salmo ou um provérbio e lá encontrava o caminho para aquele dia”, disse. “Os dias na Presidência não são fáceis”.

Leia também: Com aumento de multa, federação recomenda fim da greve dos petroleiros

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.