Tamanho do texto

Pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) costura aliança com Valdemar Costa Neto (PR), condenado no processo do mensalão, e busca aproximar-se de Paulo Skaf (MDB), citado em planilha da Odebrecht

Jair Bolsonaro (PSL) se aproxima de Valdemar Costa Neto (PR), condenado no processo do
Wikimedia Commons
Jair Bolsonaro (PSL) se aproxima de Valdemar Costa Neto (PR), condenado no processo do "mensalão"

Com um discurso baseado na crítica à corrupção e à maneira tradicional de se fazer política, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) , pré-candidato à presidência da República, tem se esforçado, nas últimas semanas, para costurar alianças com políticos condenados pela Justiça e citados nos escândalos éticos que, em suas falas, ele afirma combater.

Leia também: Partidos querem anular regra que destina 30% do fundo eleitoral para mulheres

Bolsonaro já admite publicamente sua disposição em se encontrar com Valdemar Costa Neto , líder do PR condenado no processo do chamado “mensalão” a 10 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Costa Neto foi preso em 2013, mas no ano seguinte ganhou o benefício de cumprir sua pena em casa. Em 2016, foi perdoado pelo Supremo Tribunal Federal por seus crimes.

Com Costa Neto, Bolsonaro negociará a adesão do senador Magno Malta (PR) a sua candidatura. A intenção do presidenciável é de que Malta figure como candidato a vice-presidente em sua chapa.

Outro político apontado em delações premiadas de quem Bolsonaro tenta se aproximar é Paulo Skaf (MDB) , aliado de Michel Temer, presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e pré-candidato ao governo paulista. À imprensa, o deputado federal já afirmou que é “simpático a Skaf”.

Leia também: Ex-governador de MG, Eduardo Azeredo se entrega para cumprir pena de 20 anos

Em sua delação premiada, o ex-presidente da empreiteira Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou que repassou recursos ilegais à campanha de Skaf em 2014. O presidente da Fiesp nega as acusações.

Na própria legenda de Bolsonaro, o PSL, inclusive, há políticos com problemas na Justiça. Luciano Bivar, presidente nacional do partido, foi réu por associação criminosa e fraude telefônica, mas seu processo prescreveu por causa da demora da justiça.

Bolsonaro , que afirmava ser contra acordos partidários com políticos que ele considera “antiéticos”, se defende das acusações de oportunismo e hipocrisia. “E os partidos que querem negociar com o Temer? E os que podem caminhar com o PT? Só eu vou ser cobrado por isso?”, disse ao jornal O Globo .

Leia também: PT lançará pré-candidatura de Lula à Presidência no dia 27 de maio

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.