Tamanho do texto

Advogados do petista alegaram que a prisão não deve interferir nos direitos do ex-presidente; pedido para retirar benefícios foi feito pelo MBL

Para os advogados de Lula, os benefícios são, por lei, garantidos a todos os ex-presidentes da República
Ricardo Stuckert/Instituto Lula - 22.3.18
Para os advogados de Lula, os benefícios são, por lei, garantidos a todos os ex-presidentes da República

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou nesta sexta-feira (18) com um agravo de instrumento no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo,  contra a decisão que retirou os benefícios que o petista teria como ex-presidente da República.

Para os advogados de Lula , os benefícios são, por lei, garantidos a todos os ex-presidentes da República, independentemente deles estarem ou não presos.

“Lembre-se, neste passo, que a legislação não estabeleceu a liberdade dos ex-presidentes da República como condição do exercício dos direitos a eles assegurados. Neste sentido, vale destacar que em liberdade ou detido o agravante será sempre ex-Presidente da República! E este é o único requisito para que possa exercer os direitos previstos na Lei no. 7.474/86 e no Decreto nº. 6.381/08”, dizem os advogados, no documento encaminhado ao tribunal.

Os advogados dizem que os benefícios "não se restringem à segurança pessoal e não podem ser coartados na hipótese de privação da liberdade decorrente de decisão condenatória do titular desses direitos – especialmente de decisão condenatória não definitiva, como é o caso dos autos”.

Leia também: Tucanos aconselham Geraldo Alckmin a oferecer cargo a Temer em governo

Segundo a defesa, os assessores são fundamentais também para a preservação e conservação do acervo do ex-presidente e auxiliam para o acesso a itens que ele precisa mesmo estando detido, tais como medicamentos, roupas e outros itens necessários a sua sobrevivência. 

Suspensão de benefícios foi pedido do MBL

Na quinta-feira, o ex-presidente – que está preso desde o dia 7 de abril, na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no Paraná – perdeu, ao menos provisoriamente, uma série de benefícios que tem desde que se tornou ex-presidente da República.

A decisão foi do juiz federal Haroldo Nader, da 6ª Vara Federal de Campinas. O magistrado determinou, por meio de uma liminar assinada nesta quarta-feira (17), que a União suspenda imediatamente os benefícios como segurança, transporte e assessoria para o petista, já que ex-presidente está preso e não pode gozar de tais benesses.

Leia também: Após mandado de prisão, Dirceu diz a aliados que 'só vai mudar de trincheira'

Nader concedeu tal liminar em decorrência de uma ação popular movida pelo coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL), Rubens Nunes. Além dos benefícios já citados, Lula também perde, a partir da liminar de hoje, o direito aos veículos que tinha à sua disposição, conforme o decreto 6.381/2008.

* Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.