Tamanho do texto

Raul Schmidt é investigado por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro; governo do Brasil diz que ainda não foi comunicado oficialmente da decisão

Governo do Brasil diz que ainda não foi comunicado oficialmente da decisão sobre Raul Schmidt
Reprodução/Facebook
Governo do Brasil diz que ainda não foi comunicado oficialmente da decisão sobre Raul Schmidt

O Supremo Tribunal de Justiça de Portugal concedeu nesta quinta-feira (3) habeas corpus ao empresário luso-brasileiro Raul Schmidt, que é investigado na Operação Lava Jato e foi preso em Portugal em 2016 .

O governo do Brasil diz que ainda não foi comunicado oficialmente da decisão sobre Raul Schmidt . Em nota conjunta, o Ministério da Justiça, a Advocacia-Geral da União e o Ministério Público Federal afirmam que “as providências cabíveis serão tomadas tão logo as informações sejam oficialmente recebidas”.

Suspeito de pagamento de propina a ex-diretores da Petrobras, Schmidt é acusado pelos crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Atualmente ele está detido em Portugal. 

Schmidt nasceu e viveu no Brasil, mas é neto de português e, por isso, requereu a nacionalidade portuguesa originária. A defesa do empresário alegou que, se extraditado, ele estaria sujeito a violações de direitos humanos por considerar que o sistema penitenciário brasileiro não garantiria tratamento digno conforme os padrões mínimos exigidos pela Convenção Europeia dos Direitos do Homem.

Leia também: Ministro do STF nega pedido de Lula para tirar ação sobre sítio das mãos de Moro

STJ decide

Na segunda-feira (30), o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Sergio Kukina decidiu que caberá à Primeira da Seção da Corte julgar o habeas corpus sobre a validade do pedido de extradição do empresário. A decisão do ministro foi motivada por um conflito de competência entre a Justiça Federal em Brasília e no Paraná para julgar o caso.

Para Kukina, a questão será decidida pelo STJ porque o mérito de um habeas corpus que trata do assunto já estava pendente de julgamento na Corte antes das duas decisões da Justiça Federal.

Na sexta-feira (27), o juiz Leão Aparecido, da Justiça Federal em Brasília, suspendeu liminarmente a extradição de Raul Schmidt. No mesmo dia, o juiz Sérgio Moro decidiu manter o processo e alegou que o magistrado não tem jurisdição sobre o assunto.

Leia também: Cabral busca anular condenação e se agarra a Eunício para levar ação ao STF

Em seguida, o desembargador Ney Bello criticou a decisão de Moro que manteve a extradição do empresário luso-brasileiro. Na Lava Jato, Raul Schmidt responde pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O empresário é investigado pelo pagamento de propina a ex-diretores da Petrobras.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.