Tamanho do texto

Vice-procurador-geral da República disse não haver "fato punível e culpável" no depoimento enviado pela senadora à maior rede de TV do mundo árabe

Entrevista de Gleisi Hoffmann à rede de televisão Al Jazeera sobre a prisão de Lula provocou polêmica na semana passada
Reprodução/Al Jazeera
Entrevista de Gleisi Hoffmann à rede de televisão Al Jazeera sobre a prisão de Lula provocou polêmica na semana passada

A Procuradoria-Geral da República (PGR) decidiu arquivar a representação contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-RS) por sua entrevista concedida na semana passada à TV Al Jazeera, a principal rede de televisão do mundo árabe.

A decisão foi assinada pelo vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, que considerou não haver "qualquer fato típico, punível e culpável" no depoimento da presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) à rede árabe de televisão , e que Gleisi Hoffmann apenas fez uso do "exercício legítimo da liberdade de expressão e de pensamento".

De acordo com a secretaria de comunicação da PGR, a decisão se deu em cima da representação levada ao órgão pelo deputado Major Olímpio (PSL-SP), mas se estende às reclamações apresentadas também por outros cidadãos sobre o assunto.

O parlamentar acusou Gleisi de ter "atentado contra a Lei de Segurança Nacional" ao "incitar o mundo árabe para que se insurja no apoiamento" ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – cuja prisão foi o tema da entrevista da senadora à Al Jazeera.

"A Al Jazeera é uma rede de TV que alcança milhões de pessoas, e, principalmente, em regiões conflagradas em luta contra o Estado Islâmico, contra terroristas. E ela [Gleisi] vem incitar essas forças a promoverem o quê no território brasileiro? O que ela deseja que aconteça com uma incitação criminosa dessa natureza?", protestou o Major Olímpio em suas redes sociais.

No vídeo gravado para a rede de televisão, Gleisi defendeu a tese de que Lula é um "preso político" e convidou "todos e todas" a se juntarem na luta pela liberdade ao líder petista. "Me dirijo ao mundo árabe [...] para denunciar que o ex-presidente Lula é um preso político em nosso País. Lula é um grande amigo do mundo árabe. Ao longo da história, o Brasil recebeu milhões de árabes e palestinos, mas Lula foi o único presidente que visitou o Oriente Médio", declarou a senadora.

"A prisão de Lula é a continuidade do golpe que se iniciou em 2016, com a retirada da presidenta Dilma do governo. Ela não cometeu nenhum crime, assim como Lula também não cometeu. É um preso político. Ele é inocente", garantiu Gleisi Hoffmann na gravação. 

Leia também: TSE manda PSDB devolver R$ 5,4 milhões e barra repasses do fundo partidário

Relembre o vídeo enviado por Gleisi Hoffmann à Al Jazeera:


    Leia tudo sobre: Lula