Tamanho do texto

Supremo vai decidir se o senador virará réu em inquérito resultante da delação do empresário Joesley Batista, do grupo J&F; para Marco Aurélio, a defesa de Andrea não apresentou justificativa relevante para adiar a sessão

Senador Aécio Neves (PSDB-MG) pode se tornar réu em processo decorrente das delações de executivos da JBS
Geraldo Magela/Agência Senado - 5.7.17
Senador Aécio Neves (PSDB-MG) pode se tornar réu em processo decorrente das delações de executivos da JBS

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio negou o pedido de adiamento feito pela defesa de Andrea Neves e manteve para a próxima terça-feira (17) o julgamento sobre o recebimento da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) em um dos inquéritos resultantes da delação do empresário Joesley Batista, do grupo J&F.

advogado da irmã de Aécio Neves alegava que não poderia comparecer à sessão porque teria de participar de outro julgamento no Superior Tribunal de Justiça (STJ). No entanto, o ministro Marco Aurélio considerou que a defesa não apresentou justificativa relevante. "Nada impede que os julgamentos agendados para a data sejam ordenados, no próprio dia, de modo a possibilitar ao profissional, ante a proximidade dos Tribunais, a realização de sustentação oral em ambos”, decidiu.

Além de Aécio e Andrea, também são alvos da mesma denúncia o primo deles, Frederico Pacheco, e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), flagrado com dinheiro vivo. Todos foram acusados de corrupção passiva.

Leia também: Aécio passa mal e é levado a hospital para fazer exames em Brasília

Denúncia

Aécio foi denunciado ainda em junho do ano passado pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O grupo é acusado pela PGR de ter atuado na cobrança e recebimento de R$ 2 milhões (em quatro parcelas de R$ 500 mil) do empresário Joesley Batista para arcar com a defesa de Aécio na Lava Jato.

O pagamento, segundo a denúncia, representa "vantagem indevida" paga pelo empresário da JBS em troca de "contrapartidas em razão da função parlamentar" desempenhada pelo senador.

No fim do mês passado, a atual chefe da PGR, Raquel Dodge, encaminhou manifestação ao Supremo defendendo que Aécio se torne réu . “O caráter de vantagem indevida dos valores solicitados por Aécio e por Andréa Neves a Joesley Batista fica claro quando o senador afirma que a pessoa que iria receber as parcelas deveria ser alguém 'que a gente mata ele antes de fazer delação'”, frisou a procuradora-geral, fazendo referência a um diálogo gravado entre Joesley e Aécio.

Aécio confirma que solicitou os R$ 2 milhões a Joesley, mas nega que tenha incorrido no cometimento de qualquer irregularidade. O tucano também afirma que "não existe qualquer ato" seu que "possa ter colocado qualquer empecilho aos avanços da Operação Lava Jato".

Em nota divulgada na última terça-feira, o advogado Alberto Toron, que representa Aécio Neves , disse que o senador foi "vítima de uma situação forjada, arquitetada por criminosos confessos que, sob a orientação do então procurador Marcelo Miller, buscavam firmar um acordo de delação premiada fantástico".

* Com informações da Agência Brasil