Tamanho do texto

Minutos após terem solicitado o socorro para o petista, o carro de som que acompanha o ato em frente ao sindicato avisou que Lula já estava melhor

Após discursar por quase uma hora, o ex-presidente Lula se encontrou com militantes e chegar a passar mal no sindicato
Reprodução/Twitter Gleisi Hoffmann
Após discursar por quase uma hora, o ex-presidente Lula se encontrou com militantes e chegar a passar mal no sindicato

Após discursar por quase uma hora em frente à sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, e deixar o caminhão de som onde fez o seu pronunciamento, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva chegou a passar mal por alguns minutos.

Leia também: Lula faz discurso inflamado em frente a Sindicato antes de se entregar à PF

O calor é muito intenso nesta tarde de sábado (7) em São Bernardo do Campo e, aparentemente, a saúde do ex-presidente Lula foi brevemente prejudicada por conta da pressão – tanto a arterial, quanto aquela que provém da ordem de prisão expedida pelo juiz federal Sérgio Moro. Após passar mal , Lula foi almoçar.

No carro de som, chegou a ser pedido que médicos entrassem no prédio, onde o petista se encontra agora, para ser atendido. Minutos após terem solicitado o socorro, porém, o carro de som avisou que Lula já estava bem.

Para comprovar a mensagem dada pelos militantes no carro de som, Lula apareceu, há pouco, na janela para acenar para a multidão que se encontra do lado de fora.

Desde que teve sua prisão decretada quinta-feira (5) pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, este foi o primeiro pronunciamento de Lula em público.

Discurso inflamado

Nesta tarde, Lula fez um discurso inflamado em frente a sede do Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo por 55 minutos.

Leia também: Acompanhe AO VIVO todos os detalhes da prisão de Lula

No discurso, cumprimentou diversos companheiros e companheiras de partido e de luta, entre eles a ex-presidente da república Dilma Rousseff, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, o ex-ministro da educação e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, e os pré-candidatos à Presidência pelo Psol, Guilherme Boulos, e pelo PSTU, Manuela Dávila.

Depois disso, o líder do PT fez um retorno ao passado, destacando seu começo na luta sindical e até relembrando a sua filiação ao Sindicato dos Metalúrgicos. Depois disso, falou sobre sua condenação, criticou a imprensa, o juiz Sérgio Moro e a Justiça. Lula também chegou a criticar diretamente os ministros do STF que, em sua opinião, não deveriam dar declaração de como vão votar. "Quem quiser votar com base na opinião pública, largue a toga e vá ser deputado", afirmou.

Leia também: Ministro Edson Fachin nega novo recurso da defesa de Lula para evitar prisão

* Com informações da Agência Brasil.

    Leia tudo sobre: lula