Tamanho do texto

Cristiano Zanin afirma que o TRF-4 contraria a própria decisão do Tribunal no dia 24 quando os desembargadores determinaram que a prisão só aconteceria depois de exaurida toda a tramitação em 2ª instância

O advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin, afirmou que o TRF-4 tomou uma decisão "arbitrária" quando enviou na tarde desta quinta-feira (5) o ofício que autoriza a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz Sergio Moro.

Leia também: Moro manda prender Lula e dá até 17h de amanhã para o ex-presidente se entregar

Advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, durante julgamento de recurso no TRF-4
Sylvio Sirangelo/TRF4 - 24.1.18
Advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, durante julgamento de recurso no TRF-4

“Estão contrariando a própria decisão do tribunal do dia 24, quando os três desembargadores determinaram que a prisão só poderia acontecer depois de exaurida toda a tramitação em segunda instância. Estamos dentro do prazo. Ainda temos os embargos dos embargos e a possibilidade de recursos extraordinário ao STJ e extraordinário ao STF”, disse o advogado de Lula em entrevista para a Folha de São Paulo.

Leia também: Supremo Tribunal Federal nega habeas corpus para Lula por 6 votos contra 5

Pedido de prisão de Lula

O juiz Sérgio Moro ordenou a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e deu prazo até as 17h desta sexta-feira (6) para o petista se entregar. O despacho do juiz da Lava Jato foi proferido às 18h desta quinta-feira (5), menos de 24 horas após o Supremo Tribunal Federal (STF) abrir caminho para a prisão de Lula ao rejeitar o habeas corpus de sua defesa.

Responsável por condenar, na primeira instância, o ex-presidente por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP), Moro concedeu prazo para Lula se entregar voluntariamente apontando a "dignidade do cargo que ocupou. O juiz de Curitiba também proibiu que sejam utilizadas algemas no ex-presidente.

Leia também: "Justiça que tarda é Justiça falha", prega Dodge a um dia do julgamento de Lula

Juiz Sérgio Moro condenou ex-presidente Lula por crimes de corrupção e lavagem no caso tríplex da Lava Jato
Fernando Frazão/Agência Brasil - 6.6.16
Juiz Sérgio Moro condenou ex-presidente Lula por crimes de corrupção e lavagem no caso tríplex da Lava Jato

"Relativamente ao condenado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, concedo-lhe, em atenção à dignidade do cargo que ocupou, a oportunidade de apresentar-se voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba até as 17h do dia 06/04/2018, quando deverá ser cumprido o mandado de prisão. Vedada a utilização de algemas em qualquer hipótese", determinou o juiz da Lava Jato.

A maioria dos ministros do STF decidiu nesta quarta-feira (4) que o juiz Sérgio Moro poderia ordernar a prisão imediata de Lula tão logo seu processo fosse encerrado no Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4).

    Leia tudo sobre: Lula