Tamanho do texto

Posto sob suspeita em investigações na Caixa, Gilberto Occhi assume a pasta da Saúde, enquanto Valter Casimiro Silveira passa a comandar Transportes; reforma ministerial deve ter saída de Meirelles e somar 14 trocas até sexta

Presidente Michel Temer dá posse nesta segunda-feira a novos ministros da Saúde e dos Transportes
Beto Barata/PR
Presidente Michel Temer dá posse nesta segunda-feira a novos ministros da Saúde e dos Transportes

O presidente Michel Temer deu posse na manhã desta segunda-feira (2) aos novos ministros da Saúde, Gilberto Occhi , e dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro Silveira. Também tomou posse nesta manhã o novo presidente da Caixa Econômica Federal, Nelson Antônio de Souza, que substitui justamente Gilberto Occhi no cargo. A cerimônia foi realizada no Palácio do Planalto.

As movimentações na equipe do presidente Michel Temer são as primeiras de uma ampla reforma ministerial que deve ser moldada nos próximos dias, uma vez que os ministros que pretendem ser candidatos nas eleições deste ano têm até sexta-feira (6) para deixar os cargos.

O Planalto confirmou após reunião realizada nesse domingo de Páscoa (1º) uma nova troca , no Ministério do Planejamento. O atual chefe da pasta, Dyogo Oliveira, será remanejado para assumir o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Em seu lugar, assumirá o atual secretário executivo do Planejamento, Esteves Colnago.

Outra mudança iminente é a troca do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles , que se filiou na semana passada ao MDB (partido de Temer) e considera disputar a Presidência nas eleições de outubro. O atual ministro da Educação, Mendonça Filho, é mais um que deve desembarcar do governo para ser candidato no pleito deste ano.

Ao todo, a reforma ministerial deve englobar um total de 14 mudanças até o fim desta semana.

Os novos ministros de Temer

Gilberto Occhi assume o posto até aqui ocupado por Ricardo Barros (PP), que estava licenciado do cargo de deputado federal e tentará um novo mandato na Câmara. Occhi era presidente da Caixa Econômica Federal e chegou a ser afastado do cargo após recomendação da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Banco Central  devido a investigações acerca de esquemas no banco estatal.

Os procuradores que atuaram nas operações Sépsis, Cui Bono, A Origem e Patmos alegaram em ofício encaminhado em dezembro à Casa Civil que houve "marcante influência política nos processos internos" da Caixa durante a gestão de Occhi. Uma  auditoria independente contratada pelo banco apontou também uma série de suspeitas acerca das relações de integrantes da administração da Caixa com agentes políticos.

Já Valter Casimiro Silveira, novo ministro dos Transportes, era diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e foi uma indicação política do PR ao presidente Michel Temer . Ele assume o posto até então ocupado por Maurício Quintella.