undefined
Beto Barata/PR - 20.3.18
condição determinada pelo MDB para que o PP mantivesse seu espaço no governo é que a legenda apoie Michel Temer

O presidente Michel Temer dará posse, na segunda-feira (2), aos novos ministros do Ministério dos Transportes, Valter Casimiro Silveira, e do Ministério da Saúde, Gilberto Occhi. Temer também dará posse ao novo presidente da Caixa, Nelson Antônio de Souza. A cerimônia será realizada no Palácio do Planalto, às 10h30.

Leia também: Reforma na casa de filha de Temer é alvo de operação da Polícia Federal

Também neste sábado (31), Michel Temer decidiu que o atual ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, será o novo presidente do BNDES. Segundo as informações do jornal Folha de S.Paulo, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, vai assumir o comando da pasta no lugar de Henrique Meirelles, que deixará o cargo para tentar viabilizar sua candidatura ao Palácio do Planalto.

Já para a vaga de comando do Planejamento, Esteves Colnago, atual secretário-executivo da pasta, deve ser promovido a ministro, com o objetivo de manter a atual condução da área.

O prazo para aspirantes a cargos eletivos deixarem seus postos nos ministérios é 7 de abril – por isso, nos próximos dias o governo deve apresentar novas baixas em seus quadros.

Na última quarta-feira (28), Gilberto Occhi (PP), presidente da Caixa Econômica, informou ao presidente que deixaria o banco estatal para assumir o ministério da Saúde. Ele ocupará, assim, o cargo que era de seu correligionário Ricardo Barros, que deixou a pasta para se candidatar à Câmara nas eleições de outubro.

Temer tomou a decisão na noite de quarta-feira (28). Na terça-feira (27), Barros encaminhou à Presidência sua carta de demissão, agradecendo o governo e explicando que focaria esforços em sua campanha.

Leia também: Joaquim Barbosa irá se filiar ao PSB e pode concorrer à presidência

Occhi estava na presidência da Caixa desde junho de 2016, quando Temer substituiu os indicados de Dilma Rousseff nas estatais. A petista foi afastada do governo em maio do mesmo ano pela Câmara dos deputados.

No próprio governo de Rousseff, Occhi , que tem perfil técnico, foi ministro da Integração Nacional e das Cidades.

A condição determinada pelo MDB para que o PP mantivesse seu espaço no governo é que a legenda apoie Temer em sua candidatura pela reeleição no Planalto.

Embora o presidente apresente péssimo índice de intenção de votos, Temer crê que pode reverter esse quadro após o início da campanha na TV – o MDB é um dos partidos com mais tempo no horário eleitoral obrigatório.

Leia também: Operação Skala: pedidos de liberdade só serão analisados após depoimentos, diz Barroso

BNDES

Já Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES, entregou na terça (27) sua carta de demissão ao presidente. Rabello de Castro pretende concorrer à Presidência da República, e pode inclusive disputar o cargo contra seu ex-chefe, Michel Temer.

    Veja Também

      Mostrar mais