Tamanho do texto

Rede social foi pressionada pela Justiça do Rio de Janeiro a excluir os posts com informações falsas a respeito da parlamentar que foi assassinada dia 14

Cartazes denunciam execução de vereadora do Psol; Marielle Franco foi morta no último dia 14, no Rio de Janeiro
Reprodução/Facebook
Cartazes denunciam execução de vereadora do Psol; Marielle Franco foi morta no último dia 14, no Rio de Janeiro

O juiz Jorge Jansen Counago Novelle, da 15ª vara cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), determinou nesta quarta-feira (28), por meio de uma liminar, que o Facebook deve retirar do ar, em 24 horas, todas as publicações feitas na rede social, que trazem informações falsas sobre a vereadora Marielle Franco (Psol) – assassinada a tiros no último dia 14 de março.

Leia também: ONU exige investigação 'rápida e imparcial' sobre assassinato de Marielle Franco

Em resposta, a empresa afirmou que vai remover os conteúdos do ar e que respeita a decisão. "O Facebook respeita a justiça brasileira e removerá os conteúdos específicos indicados nos autos", diz ela em nota. Não ficou claro, na liminar, quantos links sobre Marielle Franco serão excluídos da rede social. 

De acordo com o TJ-RJ, além da exclusão das publicações, foi determinado que o Facebook utilize todas "as ferramentas disponíveis para impedir a publicação de novas postagens ofensivas à Marielle e que informe se os perfis de Luciano Ayan, Luciano Henrique Ayan e Movimento Brasil Livre patrocinaram as postagens".

“Não se há de tolerar, que a morte de Marielle, Mártir da História Contemporânea do Brasil, se repita, dia-a-dia, como vem ocorrendo, com a conivência, por omissão, especificamente do réu, que se traveste numa rede social e vem permitindo a propagação de crimes como calúnia contra os mortos, ódio, preconceito de raça e gênero e abusos, contra alguém que já não tem como se defender, contra seus parentes, irmã e sua companheira, contra familiares e contra a Sociedade”, afirmou o juiz. 

Vereadora assassinada 

Marielle deixava o evento “Jovens negras movendo as estruturas”, na noite da sua morte, na Lapa, e se dirigia para sua casa na Tijuca quando dois homens em um carro emparelharam o veículo onde ela estava junto ao seu motorista. Os bandidos dispararam mais de dez tiros.

Leia também: Psol vai ao CNJ contra magistrada que acusou Marielle de ser engajada com crime

A vereadora e o motorista Anderson Gomes morreram na hora. O crime aconteceu na Rua Joaquim Palhares, no bairro do Estácio, próximo à estação de metrô. Todos os indícios apontam para a possibilidade de um homicídio premeditado, uma execução. 

Ativista do movimento negro, feminista e defensora das pautas LGBT e que tocavam questões da favela, a vereadora fazia parte ainda da Comissão da Câmara que fiscalizava a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.  Dias antes de ser assassinada, ela denunciou assassinatos que teriam sido praticados por policiais do 41º Batalhão da PM do Rio. 

O assassinato de Marielle eclodiu em diversos protestos e manifestações não só no Brasil, mas em todo o mundo.

Leia também: 'Quantos mais têm de morrer?', desabafou Marielle um dia antes de ser executada

* Com informações da Agência Brasil.

    Leia tudo sobre: facebook