Raquel Dodge pediu para a PF investigar cinco vazamentos de delações

Procuradora-geral da República garantiu que encara casos com "seriedade" e disse que pedido de indiciamento de Janot terá "análise adequada" na PGR
Foto: Divulgação/CNMP
Raquel Dodge disse que pedido de indiciamento de Janot terá 'análise adequada' na Procuradoria-Geral da República

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, confirmou que pediu para a Polícia Federal a abertura de cinco inquéritos para investigar vazamentos de delações premiadas de dentro da PGR. A informação havia sido publicada na edição desta terça-feira (12) do jornal O Globo .

Leia também: Temer nomeia ex-esposa de Gilmar para cargo de R$ 27 mil por mês em Itaipu

“Comunicações, notícias de vazamento, tenho levado com a seriedade que a lei exige, e para todos os casos que chegaram a meu conhecimento eu já determinei a investigação pela PF”, disse Raquel Dodge , que assumiu a chefia do Ministério Público Federal em setembro.

De acordo com a reportagem do jornal fluminense, os vazamentos investigados pela PF a pedido de Dodge se referem a informações contidas tanto em acordos ainda em fase de negociação na PGR, quanto em acordos já homologados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e que deveriam ser mantidos sob sigilo.

Pedido de indiciamento de Rodrigo Janot

Presente em evento do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) nesta manhã, Dodge também comentou o pedido de indiciamento de seu antecessor na PGR, Rodrigo Janot . O pedido foi feito pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) em seu relatório na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS no Congresso Nacional.

A atual chefe do MPF afirmou que dará a “análise adequada" para o pedido de indiciamento de Janot pelos crimes de abuso de autoridade, prevaricação e incitação à subversão da ordem política.

Perguntada se acreditava que o pedido de Marun seria uma tentativa de intimidar o Ministério Público, Dodge se esquivou dizendo que “não cabe a ela fazer nenhuma consideração sobre a intenção” do deputado e futuro ministro da Secretaria de Governo de Temer.

“Nós não recebemos ainda nenhum indicativo da CPMI nesse assunto. O que posso lhes dizer é que, quando recebermos esses documentos, haverá análise adequada, que será dada no momento oportuno”, disse a procuradora-geral.

Além de Janot, Marun pediu também o indiciamento do procurador Eduardo Pellela, que foi chefe de gabinete do ex-procurador. Segundo o deputado, ambos sabiam que o procurador da República Marcelo Miller auxiliava o empresário Joesley Batista, da JBS, na produção de provas contra o presidente Michel Temer.

Os pedidos, na prática, significam somente uma recomendação à Procuradoria-Geral da República, cabendo a Raquel Dodge levar ou não essa pretensão adiante.

Leia também: DEM deve punir deputado contrário à reforma da Previdência, diz ministro

*Com reportagem da Agência Brasil

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-12-12/raquel-dodge.html