Tamanho do texto

Antonio Carlos Rodrigues se entregou na última terça (28) e já foi transferido para o Rio de Janeiro; ele foi acusado no mesmo esquema de Garotinho

Antônio Carlos Rodrigues ao ser transferido para a cadeia de Benfica, no Rio de Janeiro
Reprodução/TV Globo
Antônio Carlos Rodrigues ao ser transferido para a cadeia de Benfica, no Rio de Janeiro

O presidente nacional do PR e ex-ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues , ficou foragido em Brasília, em um apartamento funcional da Câmara dos Deputados, mantido com dinheiro público, durante a semana em que esteve foragido. Além disso, ele andava livremente pela capital federal.

Enquanto estava foragido , Rodrigues foi visto na sede do PR uma vez, e no apartamento onde ficou pelo menos duas. O local fica a 20 minutos da sede da Polícia Federal (PF) em Brasília.  O ex-ministro se entregou na terça-feira (28) e foi transferido ao Rio de Janeiro, onde corre sua ação, nesta quinta-feira (30).

Rodrigues é acusado de dissimular doações ilegais para a campanha de Anthony Garotinho ao governo do Rio na eleição de 2014, na mesma ação que resultou na  prisão do ex-governador e sua esposa, Rosinha , também ex-governadora.  

Antes de se entregar, a defesa do ex-ministro declarou que  Rodrigues não pretendia se entregar , afirmando que seu cliente não se submeteria “ às mazelas e humilhações do cárcere” antes das decisões dos tribunais superiores. Os advogados responsáveis, Daniel Bialski e Marcelo Bessa, disseram ainda que "a medida [da prisão] preventiva é desproporcional, desnecessária e inexiste motivação para sua decretação e continuidade".

A defesa de Rodrigues entrou com pedidos de liberdade no Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas eles ainda não foram analisados. A decisão na justiça eleitoral deve sair na próxima segunda-feira (4).

Apartamento pago com dinheiro público

O apartamento funcional onde Rodrigues se escondeu fica em bairro nobre de Brasília, a 20 minutos de caminhada da sede da PF
Reprodução/TV Globo
O apartamento funcional onde Rodrigues se escondeu fica em bairro nobre de Brasília, a 20 minutos de caminhada da sede da PF

De acordo com informações da TV Globo, quem mora no apartamento que deu cobertura ao foragido é Maria Tereza Buaiz. Pelo sistema da Câmara, ela é funcionária da liderança do PR e deveria trabalhar na Casa, mas não faz expediente no local, de acordo com funcionárias do partido. Ela vai na verdade à sede do PR, em um centro comercial em Brasília.

Ainda segundo a emissora,  Maria Tereza recebe para trabalhar na Câmara mais de R$ 18 mil por mês e ocupa o apartamento (que sai de graça) desde 2005.

A Câmara chegou a pedir a desapropriação do apartamento, mas ela recorreu contra a ordem na 4ª Secretaria da Câmara, que acabou suspendendo sua saída.

Já acusado de corrupção

De São Paulo, Antônio Carlos Rodrigues foi vereador por três mandatos de 2001 a 2013 na capital paulista. Em 2012, ele e e outros vereadores foram acusados de participarem de um esquema para fraudar o ponto de presença das sessões da Casa.

De 2012 a 2014, ele serviu como senador suplente de Marta Suplicy , assumindo o cargo enquanto ela era ministra do Turismo. Em seguida, Rodrigues foi o último ministro dos Transportes do governo de Dilma Rousseff , de janeiro de 2015 a maio de 2016.

Acompanhe todas as notícias de política

O agora ex-foragido, Rodrigues assumiu a presidência do PR em maio de 2016.

A equipe do iG tentou contato com a Polícia Federal, mas não recebeu resposta até o fechamento desta matéria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.