undefined
Beto Barata/PR - 5.12.16
Presidente Michel Temer foi submetido no fim do mês passado a uma cirurgia para tratar o crescimento da próstata

O presidente Michel Temer (PMDB) se reúne nesta segunda-feira (6) com líderes da base aliada do governo no Congresso Nacional para discutir a agenda de votações no Legislativo. O próprio peemedebista anunciou a reunião –que não estava prevista na agenda oficial da Presidência–, sem, no entanto, especificar qual o assunto a ser discutido. "Temos uma boa pauta e muito trabalho pela frente", escreveu Temer em sua conta pessoal no Twitter.

O Planalto tem a intenção de aprovar o quanto antes a proposta de reforma de Previdência , que está pronta desde maio para ir à votação na Câmara dos Deputados, mas travou por conta do surgimento das acusações de delatores da JBS contra Michel Temer . "A prioridade do governo agora é votar reforma da Previdência até o fim do ano", reafirmou nesta segunda-feira o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, durante evento com empresários em Madri (ESP).

Temer espera dar início a uma nova agenda positiva no Congresso agora que foram  expurgados os fantasmas das duas denúncias apresentadas por Rodrigo Janot e ele já se  recuperou de cirurgia na próstata que o obrigou a tirar alguns dias de repouso no fim do mês passado.

Só que os deputados da base aliada do governo entendem que ainda não há unidade para conseguir aprovar o pacote de alterações nas regras para a aposentadoria no plenário da Câmara. É por isso que o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda não agendou a votação.

Para esta semana, a Câmara tem votações agendadas para todos os dias – algo que é incomum na Casa, mas mostrou-se recomendado por conta dos feriados da semana passada (Finados) e da próxima semana (Proclamação da República). Estão trancando a pauta de votações três MPs que mudam regras do setor de mineração.

Leia também: "História da carochinha", diz Cunha ao rebater Funaro sobre desvios na Caixa

Eletrobras

Também nesta segunda-feira, Temer se encontra com os ministros Fernando Bezerra Coelho Filho (Minas e Energia), Henrique Meirelles (Fazenda) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) para discutir o modelo de privatização da Eletrobras. O repasse da administração da estatal de energia elétrica ao setor privado foi anunciado em agosto pelo governo, mas enfrenta resistência de políticos que não querem perder o loteamento de cargos no setor, conforme reportou a repórter da Globonews Andréia Sadi.

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, anunciou aos investidores espanhóis que os detalhes do processo de privatização da estatal serão divulgados "em breve" por meio de uma medida provisória editada pelo presidente Michel Temer.

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários