undefined
Rovena Rosa/Agência Brasil - 9.8.17
Wesley e Joesley Batista (foto) tiveram prisão preventiva decretada por crimes contra o sistema financeiro

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) determinou a suspensão do bloqueio de bens dos empresários Wesley e Joesley Batista e de empresas do grupo J&F. A  indisponibilidade do patrimônio dos irmãos Batista havia sido imposta no mês passado por decisão do juiz Ricardo Soares Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal no DF.

O mandado de segurança da defesa dos irmãos Batista  contra a decisão do juiz de Brasília foi registrado na semana passada ao TRF-1, onde foi distribuído para a relatoria do desembargador Olindo Menezes. Os advogados alegaram que a medida do juiz da 10ª Vara em reforçar o bloqueio de bens violava decisão da instância superior, que anteriormente decidiu suspender a constrição do patrimônio de Wesley, Joesley e mais seis pessoas e 13 empresas do grupo J&F, 

A ampliação do bloqueio de bens dos empresários havia sido pedido à Justiça pela Polícia Federal, com o aval do Ministério Público Federal (MPF). Ao atender ao pedido, o juiz Ricardo Leite considerou que os bens indisponibilizados por ordem judicial até aquele momento, na ordem de R$ 60 milhões, eram "insuficientes" para ressarcir o prejuízo de aproximadamente R$ 1,2 bilhão provocado pela atuação criminosa dos empresários.

"Os indícios são fartos a estadear medidas cautelares reais mais intrusivas, especificamente no que se refere aos aportes do BNDES à JBS", escreveu o magistrado em sua decisão, proferida no dia 26 do mês passado. O trecho faz menção aos investimentos do banco estatal nas empresas de Wesley e Joesley Batista – relação que é investigada em Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Congresso.

"Há nítida cofusão entre o patrimônio da pessoa física e jurídica, acenando realmente pela 'intenção de evitar que constrições e bloqueios por atos ilícitos pessoais recaiam sobre o patrimônio agigantado em proveito de atos criminosos lesivos aos cofres públicos'", considerou o magistrado.

O juiz destacou ainda que sua decisão em ampliar o bloqueio de bens dos irmãos Batista era válida por conta da suspensão do acordo dos delatores da JBS, medida tomada pela Procuradoria-Geral da República em decorrência das suspeitas de que Joesley e o executivo Ricardo Saud teriam recebido orientação para esconder fatos da PGR.

Crimes contra o mercado financeiro

O magistrado de Brasília também mencionou em sua decisão a Operação Tendão de Aquiles, que revelou a  continuidade das práticas criminosas de Wesley e Joesley Batista mesmo após a assinatura do acordo de colaboração com a Justiça.

A investigação conduzida pela Polícia Federal e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) revelou que os irmãos Batista se valeram de informações privilegiadas para manipular o mercado financeiro. Presos preventivamente há mais de um mês em São Paulo , os empresários já  foram denunciados pelo MPF por ter agido ilegalmente no mercado seus prejuízo com a desvalorização da JBS – que se mostrava inevitável diante da iminente divulgação de suas delações – e ainda lucrar com a compra de dólares às véspera da alta da moeda americana ocorrida após as acusações contra o presidente Michel Temer.

Leia também: Joesley Batista fez contrato fictício para comprar silêncio de Funaro, diz lobista

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários