Tamanho do texto

Amazonino Mendes já foi governador do estado outras três vezes; ele foi eleito com a maioria dos votos no segundo turno das eleições, neste domingo

Justiça Eleitoral do Amazonas agendou diplomação de Amazonino Mendes, do PDT, para o dia 2 de outubro
Divulgação
Justiça Eleitoral do Amazonas agendou diplomação de Amazonino Mendes, do PDT, para o dia 2 de outubro

Amazonino Mendes (PDT), governador eleito neste domingo (27) no Amazonas, com pouco mais de 59% dos votos , afirmou, em discurso no comitê de campanha, logo após a confirmação do resultado das eleições pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que vai trabalhar para ajudar os desempregados do estado.

“A nossa eleição tem muito a ver com os pais desempregados, com todos os 300 mil amazonenses que perderam o emprego. A minha luta será primordialmente, dia e noite, a busca pela reintegração do emprego dessas pessoas. Tenho certeza absoluta de que a maioria dos votos nulos e brancos veio dessas pessoas", afirmou Amazonino Mendes .

O candidato do PDT foi eleito em segundo turno , batendo os 40,79% dos votos conquistados pelo adversário, Eduardo Braga (PMDB). Ainda em seu pronunciamento, Amazonino agradeceu aos eleitores que o elegeram governador pela quarta vez no estado e informou que, nesta segunda-feira (28), iria se reunir, em Brasília, com o presidente Michel Temer.

Além disso, o governador eleito ressaltou que um dos seus primeiros atos na gestão amazonense será criar uma comissão de transição de governo. “Eu vou nomear uma comissão para fazer um levantamento de dados e informações para que a gente possa iniciar o trabalho já com uma base, algum conhecimento para governar”, disse Mendes.

No segundo turno das eleições do Amazonas , determinadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – que cassou os mandatos do ex-governador José Melo (Pros) e do vice Henrique (Solidariedade) por compra de votos nas eleições de 2014 –, a taxa de abstenção ficou em 25,82%, ou seja, quase 604 mil eleitores deixaram de votar.

Esse resultado é superior ao registrado no primeiro turno, quando mais de meio milhão de pessoas não compareceram às urnas. Os votos brancos correspondem a 4,06% e os nulos, a 19,73%. Cerca de 2,3 milhões de cidadãos amazonenses estavam aptos a votar nessa eleição.

Para a realização do segundo turno da eleição suplementar, foram distribuídas 6.668 urnas eletrônicas em 1.508 locais de votação, de acordo com a Justiça Eleitoral. O TRE informou que o governador eleito será diplomado no dia 2 de outubro.

Quem é o novo (velho) governador

O candidato elçeito neste domingo nasceu no Amazonas. Ele tem 77 anos, é formado em direito e é viúvo.

Entre os anos de 1970 e 1980, Amazonino trabalhou no Departamento de Estradas de Rodagem do estado. Em 1983 foi eleito prefeito de Manaus. Também esteve à frente da capital de 1993 a 1994 e de 2009 a 2012.

O candidato do PDT foi governador do Amazonas durante três períodos: de 1987 a 1990, entre 1995 e 1998 e de 1999 a 2002. Em 2004 tentou voltar à prefeitura de Manaus, mas foi derrotado por Serafim Correa.

Leia também: Com baixa adesão, atos contra impunidade e fundo eleitoral ocorrem nas capitais

Em 2006, perdeu a eleição a governador para Eduardo Braga. Amazonino foi ainda senador entre 1991 e em 1992. Amazonino Mendes tem como vice o deputado estadual Bosco Saraiva, do PSDB.

* Com informações da Agência Brasil.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.