Tamanho do texto

Acerto aguarda ser homologado pelo STF; publicitário afirma que, em depoimento, irá revelar mais detalhes sobre o mensalão tucano, que é réu

Após transferência, Marcos Valério cumpre pena de mais de 37 anos por acusações no mensalão do PT em Sete Lagoas
Arquivo/Samuel Costa/Estadão Conteúdo - 28.5.14
Após transferência, Marcos Valério cumpre pena de mais de 37 anos por acusações no mensalão do PT em Sete Lagoas

Mesmo com a negativa do Ministério Público Federal, o publicitário Marcos Valério conseguiu acordar com a Polícia Federal de Minas Gerais um acordo de delação premiada. O acerto agora aguarda homologação por parte do STF (Supremo Tribunal Federal), que precisa aprovar a colaboração já que envolve políticos de foro privilegiado.

Leia também: Em meio a negociação de delação, Marcos Valério tem processo suspenso

Marcos Valério deverá falar sobre os detalhes do mensalão tucano, que envolve esquema de desvios de dinheiro público de estatais mineiras em 1998, quando o partido financiou a campanha do então governador Eduardo Azevedo (PSDB).

Apesar de só ter confirmado a informação nesta quarta-feira (19), a PF informou que o acordo foi assinado no último dia 6 de julho deste ano, com a apresentação da “vasta documentação” e prestação de depoimento.

Valério cumpre pena de 37 anos e 5 meses de prisão, após o mensalão do PT, sendo o único acusado que ainda continua cumprindo pena em regime fechado. Ele também é réu em ação penal do mensalão tucano .

Leia também: Documentação de Valério comprovaria compra fraudulenta de imóveis por tucanos

Como parte da conclusão da colaboração, o juiz da Vara de Execuções Penais de Contagem, Wagner de Oliveira Cavalieri, permitiu, na última segunda-feira (17) que o publicitário fosse transferido da Penitenciária Nelson Hungria para a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac), onde os presos fazem a própria segurança, em Sete Lagoas, localizado na Região Central de Minas Gerais.

"Tal sentenciado é presumidamente possuidor de inúmeras informações de interessa da Justiça e da sociedade brasileira, motivo pelo qual inegável o interesse público em suas declarações sobre fatos ilícitos diversos que envolvem a república", diz o despacho do juiz.

Para ser usada nas ações penais, o Supremo precisa fazer a homologação. Enquanto o STF estiver em recesso, a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, terá que validar o conteúdo do acordo, ou então distribuir para outro ministro quando as atividades voltarem ao normal.

Mensalão tucano

O Ministério Público estadual acusa Marcos Valério, Cristiano Paz e Ramon Holerbach de improbidade administrativa por terem recebido por meio da agência de publicidade SMP&B, a quantia de R$ 3 milhões da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig).

Leia também: Petistas ligados ao mensalão são condenados por esquema de lavagem de dinheiro