Tamanho do texto

Vendido a R$ 39, jogo criado por jornalista traz referências a personagens reais e tem como objetivo prender maior número de envolvidos no esquema

Jogo da Lava Jato possui  72 cartas e pode ser jogado por até quatro participantes
Divulgação/Luiz André Alzer
Jogo da Lava Jato possui 72 cartas e pode ser jogado por até quatro participantes

O empreiteiro movimentou uma alta quantia de propina e está ligado ao ex-governador, ao ex-ministro, aos marqueteiros, ao operador, e por aí vai. O enredo já é bem conhecido pelos brasileiros que convivem há mais de três anos com o noticiário da Operação Lava Jato . Agora, o esquema criminoso acerca da Petrobras virou também um jogo de baralho, cujo objetivo é alinhado com a missão do próprio juiz Sérgio Moro: "prender o maior número possível de envolvidos no esquema, desde políticos até empresários", conforme descrição dos fabricantes.

O chamado Jogo da Lava Jato  foi criado pelo jornalista Luiz André Alzer e conta com ilustrações do cartunista Renato Machado. A brincadeira é "toda inspirada em fatos reais", conforme descrevem os idealizadores do baralho. Ainda assim, a embalagem do produto traz o aviso: "Qualquer semelhança com a vida real é apenas uma incrível coincidência".

O baralho é composto por 72 cartas coloridas, sendo 36 cartas de réus e 36 cartas de decisões da Justiça. As cartas que representam os réus são divididas igualmente entre os participantes da partida, enquanto as decisões da Justiça representam ações a serem seguidas conforme a indicação. O jogo termina quando um dos jogadores conseguir prender todos os seus réus, mas vence aquele que tiver colocado na prisão os atores mais influentes no esquema. Podem jogar juntos de dois a quatro participantes.

As cartas de cada personagem trazem informações sobre a ocupação dele, as acusações contra o réu, suas conexões com outros envolvidos e a propina movimentada por ele.

Leia também: Transferências de presos da Lava Jato custam quase R$ 500 mil à PF em um ano

"Cabral e "italiano" entre os réus

Apesar de os idealizadores do game alegarem que os personagens são todos "meramente de ficção", há referências claras a alvos da Lava Jato 'do mundo real' nas ilustrações. A carta do ex-governador, por exemplo, traz uma caricatura de Pedro Álvares Cabral. Já a do senador tem a ilustração de um grande lobo, A carta do ex-ministro tem o retrato de um homem de barba bem aparada, óculos, e uma camiseta com a inscrição "Itália". 

Em seu perfil no Facebook, o criador do jogo, Luiz André Alzer, reconheceu que possivelmente haverá a necessidade de atualizar o game, conforme os rumos da investigação da operação. "A graça é essa: o jogo pode ganhar novas cartas!", disse.

O jogo é comercializado a R$ 39 no site da Banca 21  e em algumas lojas físicas no Rio de Janeiro. Em São Paulo, o baralho da Lava Jato também está à venda na loja Blooks do shopping Frei Caneca.

Leia também: João Santana e Mônica desistem de recurso para cumprir pena da Lava Jato em casa

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.