Tamanho do texto

Nesta sexta, presidente da Câmara dos Deputados amanheceu com a notícia de que estaria ganhando força para assumir a presidência da República

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia pede
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 3.3.17
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia pede "tranquilidade e prudência" em meio a especulações sobre a queda de Temer

Frente a especulações, publicadas nesta sexta-feira (7) pela mídia – de que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), esteja ganhando força para assumir a presidência da República, devido a uma possível queda de Michel Temer – o deputado foi cauteloso e afirmou que é preciso "ter muita tranquilidade e prudência neste momento".

Leia também: De Trump a Widodo: você sabe quem é quem no G20?

A declaração de Rodrigo Maia foi publicada ainda nesta sexta, em sua conta pessoal do Twitter. "Em vez de potencializar, precisamos ajudar o Brasil a sair da crise. #reformas", publicou o deputado.

Além disso, Maia reafirmou que a agenda da Casa deve ser restabelecida “o mais rápido possível”, com a votação da reforma da Previdência e outros projetos.

“Não podemos estar satisfeitos apenas com a reforma trabalhista. Temos Previdência, tributária e mudanças na legislação de segurança pública”, lembrou.

O presidente da Câmara dos Deputados está em viagem por Buenos Aires, na Argentina, onde participa, na tarde desta sexta, do Fórum de Relações Internacionais e Diplomacia. Primeiro na linha sucessória da Presidência , Maia voltará ao Brasil neste sábado (8).

Leia também: “Estamos fazendo voltar o desemprego”, diz Temer em vídeo após reunião do G20

Enquanto isso, como Michel Temer (PMDB) também está fora do País — por conta da Cúpula do G20, em Hamburgo, na Alemanha – , quem está respondendo pelo governo federal, no mais alto escalão executivo. é o presidente do Senado, Eunício de Oliveira. (PMDB-CE).

Denúncia contra Temer

Caso a denúncia de corrupção passiva apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer seja admitida pela Câmara dos Deputados , o presidente deverá se afastar por 180 dias.

O processo da denúncia está previsto para começar a ser analisado na próxima semana na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara e ainda deve passar por votação no plenário da Casa. Pela Constituição Federal, em caso de impedimento do presidente da República, quem assume o cargo é o presidente da Câmara. 

Nesta quinta-feira (6), Rodrigo Maia, defendeu que o Congresso defina rapidamente se aceita ou não a denúncia contra Temer por corrupção passiva . "Minha vontade pessoal é que a gente deva encerrar este assunto assim que sair da Comissão de Constituição e Justiça – o Brasil não pode ficar parado com o parecer da Comissão de Constituição e Justiça até o mês de agosto", disse, em entrevista à imprensa brasileira, em Buenos Aires.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.