Tamanho do texto

Temer está confiante de que a acusação feita pela Procuradoria-Geral da República não deverá receber votos necessários da Casa para chegar ao STF

Em entrevista à rádio BandNews, Temer afirma ter
Shutterstock/Arquivo
Em entrevista à rádio BandNews, Temer afirma ter "quase certeza absoluta" de que acusação não passará pela Câmara

O presidente Michel Temer (PMDB) está bastante confiante de que a denúncia contra ele, feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não será aceita pelo plenário da Câmara dos Deputados.

Leia também: Ex-ministro Geddel Vieira Lima é preso pela Polícia Federal

Em entrevista à rádio BandNews, na tarde desta segunda-feira (3), Temer declarou ter “quase certeza absoluta” de que a acusação não atingirá os votos necessários na Câmara para que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise o pedido da Procuradoria-Geral da República.

“Eu tenho confiança [na base do governo no congresso]. Estou muito obediente ao Congresso. Tenho esperança, quase certeza absoluta, de que teremos sucesso na Câmara”, declarou o presidente ao entrevistador.

Temer também afirmou que a denúncia apresentada por Janot é “inepta” e que está “animadíssimo” com os resultados do desempenho da indústria, divulgados nesta segunda-feira Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“Estou animadíssimo. Estou cada vez mais animado porque na verdade estamos indo muito bem. As reformas estão indo adiante, a inflação está caindo. Hoje a CNI divulgou que aumentou 5,5% as vendas das fábricas, a capacidade instalada da indústria está em 77,4% e, no comércio exterior, tivemos o melhor resultado de junho da série histórica, desde 1989”, disse o peemedebista.

Para encerrar a entrevista, o peemedebista afirmou que o Brasil não está parado e que está convicto de que seu governo está agindo de maneira correta. “O Brasil não para. Continua e temos certeza do que estamos fazendo, no plano governamental e no plano ético e moral”, finalizou.

Leia também: Presidente Michel Temer se reúne com Rodrigo Maia e líderes do governo

Histórico

No último dia 26, Rodrigo Janot denunciou Temer ao STF por crime de corrupção passiva, baseado nas investigações iniciadas a partir dos depoimentos de delação premiada dos executivos da JBS.

No entanto, a acusação só poderá ser analisada pelo STF se for autorizada pela Câmara. Antes de ir ao plenário da Casa, a denúncia precisa ser apreciada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), afirmou que deverá indicar o relator nesta terça-feira (4). A defesa do presidente também deverá se pronunciar à CCJ ainda nesta semana.

Após a fase da CCJ, o parecer será pronunciado no plenário da Casa. Feito isso, para que a acusação contra Michel Temer seja autorizada pela Câmara, são necessários os votos de, pelo menos, dois terços dos deputados, o que significa, no mínimo, 342 deputados favoráveis à acusação, dos 513 parlamentares. Se isso não ocorrer, a tramitação será interrompida até o presidente concluir o mandato.

Leia também: "Cada um tem seu entendimento jurídico", diz Janot sobre soltura de Rocha Loures

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas