Tamanho do texto

Ex-ministro do governo Michel Temer foi preso nesta segunda-feira pela Polícia Federal; político é suspeito de tentar obstruir investigações da Justiça

Juiz Vallisney de Souza Oliveira acatou pedido de prisão contra Geddel Vieira Lima nesta segunda-feira (3)
Valter Campanato/Agência Brasil - 6.9.2016
Juiz Vallisney de Souza Oliveira acatou pedido de prisão contra Geddel Vieira Lima nesta segunda-feira (3)

Ao decretar a prisão preventiva do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira autorizou operação de busca e apreensão de aparelhos celulares do político e a quebra do sigilo telefônico dos equipamentos apreendidos. O objetivo é buscar elementos para comprovar os contatos de Geddel com a esposa do doleiro Lúcio Funaro, preso em decorrência das investigações da Lava Jato.

Leia também: Sem quórum para sessão na Câmara, prazo para defesa de Temer é adiado

Na decisão, o juiz argumenta que Geddel entrou em contato por diversas vezes com a esposa de Funaro para verificar a disposição do marido preso em firmar acordo de colaboração premiada, o que pode caracterizar um exercício de pressão sobre Funaro e sua família. Segundo o magistrado, não é a primeira vez que o político tenta persuadir pessoas ou pressioná-las, lembrando o episódio em que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero acusou Geddel de atuar para a liberação da construção de um imóvel em Salvador.

Para o magistrado, há provas até o momento da participação de Geddel no esquema de irregularidades apuradas na Operação Cui Bono, que investiga o suposto esquema de corrupção na Caixa Econômica Federal no período entre 2011 e 2013 e, se permanecer solto, ele pode atrapalhar as investigações.

Leia também: Justiça aceita denúncia contra ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Alves

“É que em liberdade, Geddel Vieira Lima, pelas atitudes que vem tomando recentemente, pode dar continuidade a tentativas de influenciar testemunhas que irão depor na fase de inquérito da Operação Cui Bono, bem como contra pessoas próximas aos coinvestigados e réus presos Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e Lúcio Bolonha Funaro”, diz o magistrado em sua decisão.

Operação Cui Bono

Geddel Vieira Lima foi preso nesta segunda-feira (3) pela Polícia Federal por tentar obstruir a investigação  de supostas irregularidades na liberação de recursos da Caixa Econômica Federal. A defesa de Geddel informou que ainda está apurando os acontecimentos e em breve irá se manifestar.

O peemedebista é um dos investigados na Operação Cui Bono. Deflagrada no dia 13 de janeiro, a frente investigativa tem o propósito de apurar irregularidades cometidas na vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, durante o período em que foi comandada pelo político baiano. A investigação teve origem na análise de conversas registradas em um aparelho de telefone celular apreendido na casa do então deputado Eduardo Cunha.

O teor das mensagens indica que Cunha e o ex-ministro atuavam para garantir a liberação de recursos por vários setores da CEF a empresas que, após o recebimento, pagavam vantagens indevidas aos dois e a outros integrantes do esquema, entre eles Fábio Cleto. Cleto, que ocupou por indicação de Eduardo Cunha a vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias, foi quem forneceu as primeiras informações aos investigadores. Em meados do ano passado, ele fechou acordo de colaboração premiada com a PGR (Procuradoria Geral da República).

O pedido de prisão contra o ex-ministro, aceito pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, foi feito pelo MPF (Ministério Público Federal).


* Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha