Tamanho do texto

Presidente foi recebido pelo ministro do STF na noite de terça-feira, um dia antes de Gilmar defender revisão da delação da JBS e de Temer indicar rival de Rodrigo Janot para assumir a Procuradoria-Geral da República

Presidente do Senado alega que encontro entre Michel Temer e Gilmar Mendes fora da agenda tratou da reforma política
Anderson Riedel/ VPR
Presidente do Senado alega que encontro entre Michel Temer e Gilmar Mendes fora da agenda tratou da reforma política

O presidente Michel Temer foi recebido em jantar oferecido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes na noite de terça-feira (27), em compromisso que não foi registrado na agenda oficial nem do peemedebista e nem do magistrado. O encontro contou ainda com a presença do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o ministro da Secretaria de Governo, Moreira Franco.

Leia também: Câmara recebe denúncia de corrupção passiva contra Michel Temer

A assessoria da Presidência informou ao iG que o Planalto não irá comentar o assunto, mas a realização do encontro foi confirmada pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), segundo o qual a reunião entre Michel Temer e o ministro do STF teve como assunto a proposta de reforma política. 

"Não vejo equívoco quando as instituições independentes conversam, quando os presidentes de instituições independentes conversam. O Poder Judiciário é um poder independente do Executivo, assim como o Executivo é independente do Judiciário e também do Legislativo", argumentou Eunício, que é aliado do presidente Temer.

"Estamos num debate intenso sobre reforma política. Eu fiz uma reunião grande, com mais de 40 líderes e presidentes de partidos para discutir reforma política", declarou o presidente do Senado, citando o almoço que ele mesmo promoveu em sua casa também na terça-feira.

Leia também: Rebeldia de Renan comprova que "Cunha atua da cadeia, por trás de Temer", diz Dilma

Pós-jantar

No dia seguinte ao encontro entre o presidente da República e Gilmar, Temer decidiu indicar a procuradora Raquel Dodge para suceder Rodrigo Janot  na chefia da Procuradoria-Geral da República (PGR). Raquel era a segunda da lista tríplice eleita pelos integrantes do Ministério Público Federal e desponta como 'rival' de Janot, que foi o responsável por denunciar Temer ao STF.

Também nessa quarta-feira (28), o ministro Gilmar Mendes foi o único a votar pela revisão dos acordos firmados entre a PGR e executivos do grupo JBS  em julgamento que terminou com placar 9 a 1 no STF. Gilmar criticou duramente a atuação de Rodrigo Janot e disse que o chefe do Ministério Público "ofereceu o que não poderia ser oferecido" em troca das denúncias dos executivos da empresa.

As informações prestadas pelo empresário Joesley Batista, dono do grupo, são o pivô da denúncia apresentada por Janot contra o presidente Michel Temer, acusado de ter praticado crime de corrupção passiva.

*Com reportagem da Agência Senado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.