Tamanho do texto

Senadora, que foi apoiada por Lula, é acusada pela PGR de corrupção passiva e lavagem de dinheiro; após vitória, petista fez homenagem a José Dirceu

Apoiada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gleisi Hoffmann recebeu 69% dos votos em eleição do PT
Lula Marques/Agência PT
Apoiada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gleisi Hoffmann recebeu 69% dos votos em eleição do PT

Em eleição realizada neste sábado (3), o PT elegeu a senadora Gleisi Hoffmann (PR) como presidente nacional da agremiação. Ela recebeu 69% dos votos dos participantes do congresso nacional do partido. Em segundo lugar ficou o também senador Lindbergh Farias (RJ), que foi escolhido por 31% dos eleitores.

Leia também: Procuradoria pede a prisão de Lula e multa de R$ 87 milhões no caso tríplex

Apoiada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Gleisi Hoffmann é ré no STF (Supremo Tribunal Federal) em ação penal decorrente das investigações da Operação Lava Jato. A denúncia contra ela, apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) foi aceita em setembro do ano passado pela Segunda Turma da Corte. O marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo, também é réu no mesmo processo. O casal é acusado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

No site oficial da legenda, o partido ignora o fato de a sua nova presidente ser ré na Lava Jato. A agremiação reforça apenas o fato de ela ser a primeira mulher a presidir o diretório nacional do PT . “Mostramos para o Brasil que o PT tem diversidade, que nós temos garra para enfrentar tudo que está aí e propor uma coisa para o Brasil”, disse a senadora, após a confirmação de sua vitória no pleito.

Leia também: Lula se diz "vítima de um massacre" e nega ter tentado obstruir a Lava Jato

A senadora terá um mandato de dois anos à frente do partido e irá substituir Rui Falcão, que presidiu o diretório petista nacional durante seis anos.

Além de ser ré na Lava Jato , a nova presidente do PT aproveitou seu discurso de comemoração para fazer menção honrosa a outros caciques petistas envolvidos em grandes escândalos nacionais, como o ex-ministro José Dirceu, condenado na Operação Lava Jato e no Mensalão. Ao ouvirem o nome de Dirceu, os militantes o saudaram como “guerreiro do povo brasileiro”.

Histórico

Gleisi tem 51 anos, é advogada e filiada ao PT desde 1989, após passar pelo PCdoB. Antes de iniciar sua carreira na política partidária, participou de organizações como a União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas em Curitiba e a Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas).

Leia também: Após depoimento, Lula diz que quer ser julgado pelo "povo brasileiro"

Eleita senadora em 2011, Gleisi Hoffmann ocupou o cargo de ministra-chefe da Casa Civil entre 2011 e 2014, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A petista foi secretária de Reestruturação Administrativa do Mato Grosso do Sul, durante a gestão do ex-governador Zeca do PT – que hoje é deputado federal e também é investigado pelo STF por envolvimento nas irregularidades apuradas pela Operação Lava Jato.

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.