Tamanho do texto

Alvos são empresas de alimentação acusadas de desviar recursos destinados à merenda escolar no Estado; empresário Marco Antônio de Luca foi preso

Na nova fase da Lava Jato, agentes da Polícia Federal prenderam o empresário Marco Antônio de Luca
Valter Campanato/Agência Brasil - 17.3.2017
Na nova fase da Lava Jato, agentes da Polícia Federal prenderam o empresário Marco Antônio de Luca

Foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (1º) mais uma fase da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. A etapa, denominada Ratatouille, tem a finalidade de desarticular um esquema criminoso que desviaria recursos destinados ao fornecimento de merenda escolar e de alimentação em presídios do Estado. A contrapartida, de acordo com as investigações, seria o pagamento de propina a políticos.

Leia também: Fachin nega pedido de defesa de Temer e presidente será interrogado pela PF

A operação é desenvolvida em conjunto entre o MPF (Ministério Público Federal) e a Receita Federal. Os alvos da nova fase da Lava Jato são as empresas Masan e Milano, ambas pertencentes ao mesmo grupo familiar.

Além de merendas escolares e fornecimento para presídios, as duas empresas também eram responsáveis pelo envio de alimentos para hospitais públicos do Rio de Janeiro e para o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) durante os Jogos Olímpicos na capital fluminense, realizados no ano passado. Nos últimos dez anos, as duas empresas tiveram contratos superiores a R$ 700 milhões com o governo do Estado.

Leia também: "Só trafico drogas", diz Zezé Perrella ao senador afastado Aécio Neves

Ao todo, foram expedidos um mandado de prisão preventiva e nove mandados de busca e apreensão. Todos foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro , nos bairros da Barra da Tijuca, Ipanema, Leblon e Centro, além dos municípios de Mangaratiba e Duque de Caxias.

Propinas ao governo estadual

As investigações, que foram iniciadas há cerca de seis meses, indicam o pagamento de pelo menos R$ 12,5 milhões em vantagens indevidas a autoridades públicas pelo empresário Marco Antônio de Luca, que tem ligação com as empresas Masan e Milano, que mantinham contratos com o governo do Rio de Janeiro.

Leia também: Torquato Jardim toma posse e garante continuidade da Operação Lava Jato

“O nome da operação remete a um prato típico da culinária francesa, em referência a um jantar em restaurante de alto padrão em Paris, no qual estavam presentes diversas autoridades públicas e empresários que possuíam negócios com o Estado”, informa a Polícia Federal sobre a nomenclatura da nova fase da Operação Lava Jato.


* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.