Tamanho do texto

Susto acontece um dia após a maior e mais violenta manifestação contra o governo Temer, que deixou ao menos 49 pessoas feridas e outras sete presas

Prédio do Ministério do Trabalho foi evacuado por falso alerta de bomba na manhã desta quinta-feira (25)
Reprodução/Twitter
Prédio do Ministério do Trabalho foi evacuado por falso alerta de bomba na manhã desta quinta-feira (25)

O prédio do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE) foi evacuado, na manhã desta quinta-feira (25), após a identificação de uma suposta bomba no nono andar do edifício, em Brasília.

Leia também: Ex-presidentes FHC, Lula e Sarney já articulam substituição de Temer, diz jornal

Segundo informações da Polícia Militar, todos os funcionários foram retirados do local e o esquadrão antibombas foi acionado. No entanto, nenhum artefato explosivo foi encontrado no prédio do Ministério do Trabalho .

A ameaça, porém, foi descartada por volta das 11h29 desta quinta. 

O susto acontece um dia após a maior e mais violenta manifestação contra o governo do presidente da República, Michel Temer (PMDB), que deixou ao menos 49 feridos e outras sete pessoas presas, nesta quarta-feira (24).

O protesto também culminou em dois ministérios incendiados e vários lugares depredados na Esplanada dos Ministérios , em Brasília. 

Em decorrência da manifestação violenta, o presidente da República decretou, ainda nesta quarta, a presença das Forças Armadas no local, decreto que já foi revogado na manhã desta quinta.

Manifestação

Nesta quarta, os confrontos com a polícia tiveram início por volta das 13h, quando um grupo de manifestantes tentou furar o bloqueio feito pelos agentes de segurança nas proximidades da Esplanada dos Ministérios .

Os manifestantes arremessaram paus, garrafas e usaram armas brancas, como facas. A polícia respondeu com uso de gás de pimenta e bombas de efeito moral para dispersar os agressores.

O ato desta quarta-feira foi organizado por uma série de movimentos sociais, como a Frente Brasil Popular, o movimento Povo sem Medo e a União Nacional de Estudantes (UNE). Também são responsáveis pelos protestos diversas centrais sindicais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical e a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

A polícia empenhou 1.400 agentes no esquema de segurança montado para a manifestação, que conta ainda com 100 policiais civis.

Leia também: Ex-presidentes FHC, Lula e Sarney já articulam substituição de Temer, diz jornal

No final da manifestação, o Ministério do Trabalho, assim como os da Cultura, Tecnologia, Integração Social, Saúde, Fazenda, Planejamento, Minas e Energia e um dos cartões postais da cidade, a Catedral, tiveram seus prédios depredados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.