Tamanho do texto

Apesar disso, parte fundamental do áudio, quando os envolvidos conversam sobre o ex-deputado Eduardo Cunha, não sofreu qualquer tipo de corte

Michel Temer entregou gravação ao serviço de inteligência da Presidência da República
Marcos Corrêa/PR
Michel Temer entregou gravação ao serviço de inteligência da Presidência da República

Peritos identificaram que o áudio da conversa entre Joesley Batista, da JBS, e o presidente Michel Temer, entregue à Procuradoria Geral da República, sofreu o que classificaram como interrupeções ou edições. A parte fundamental da gravação, no entanto – quando o empresário diz que mantém uma boa relação com o ex-deputado Eduardo Cunha e o presidente o incentiva a continuar com isso –, não sofreu qualquer alteração. Os peritos foram ouvidos pelos jornais "Estado de S. Paulo" e Folha de S.Paulo".

Leia também: Michel Temer pede suspensão de inquérito ao STF e chama Joesley de criminoso

Um dos peritos ouvidos pelas reportagens disse que não é possível afirmar o motivo das interrupções no áudio de Temer e Joesley. De acordo com ele, existe a possibilidade de o gravador estar com algum defeito, por exemplo.

Segundo outro dos peritos ouvidos "Folha de S.Paulo", a gravação tem cortes. A reportagem diz que, de acordo com o laudo de Ricardo Caires do Santos, perito judical pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o áudio passou por mais de 50 edições. Além disso, o especialista também disse ao veículo que a gravação tem "indícios claros de manipulação".

Leia também: Joesley Batista pediu "Pelo amor de Deus" para Aécio Neves parar com pedidos

No que diz respeito à parte mais importante do áudio, o especialista afirma que, apesar de não ter havia edição, existem dois momentos que ficaram incompreensíveis. Ele diz que estas partes foram prejudicadas por ruídos na gravação.

A gravação foi encaminhada por Michel Temer ao serviço de inteligência da Presidência da República. O mandatário quer o parecer do órgão em relação à integridade do material entregue pelo dono da JBS.

Leia também: Delatores dizem que JBS pagou R$ 100 milhões em campanha por Aécio Neves

Segundo nota oficial divulgada pela Procuradoria Geral da República, a entidade informa que realizou uma avaliação técnica do áudio e que foi possível identificar uma conversa que tem lógica e coerência. Ainda segundo a nota, a gravação anexada ao inquérito do Supremo Tribunal Federal é a mesma que foi entregue por Joesley Batista. O órgão também disse que a integridade do áudio da conversa entre Temer e o empresário pode ser verificada durante o processo.

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.