Tamanho do texto

Rede e PSOL protocolaram representação contra Aécio Neves, mas integrantes da comissão que analisa pedidos não está formada no Senado

Aécio Neves é acusado de ter pedido R$ 2 milhões a empresário da JBS para arcar com custos de sua defesa
Pedro França/Agência Senado - 2.5.16
Aécio Neves é acusado de ter pedido R$ 2 milhões a empresário da JBS para arcar com custos de sua defesa

Senadores da Rede Sustentabilidade e do PSOL protocolaram na tarde desta quinta-feira (18) uma representação pedindo a cassação do mandato de Aécio Neves (PSDB) como senador. Aécio já está afastado por decisão do Supremo Tribunal Federal  (STF). O tucano já anunciou que irá recorrer da decisão.

"As razões para a cassação do mandato são os notórios acontecimento revelados", disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). São os notáveis crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e obstrução da Justiça. Entendemos que não existe condição alguma para que ele continue [Aécio] exercendo a função de senador."

Aécio Neves é acusado pelo empresário Joesley Batista, do grupo JBS, de ter pedido a ele R$ 2 milhões para arcar com os custos de sua defesa em processos da Operação Lava Jato . Os recursos teriam sido retirados por um primo do agora senador afastado, Frederico Pacheco de Medeiros, que foi preso nesta manhã pela Polícia Federal .

O pedido de cassação de mandato apresentado pela Rede e pelo PSOL, no entanto, enfrenta problemas no Senado . Isso porque os integrantes do Conselho de Ética da Casa, responsável pela análise desse tipo de representação, ainda não foram definidos.

Segundo o senador João Alberto Souza (PMDB-MA), somente o PMDB indicou os integrantes a que tem direito no Conselho de Ética. O bloco Social Democrata (PSDB, DEM e PV) indicou um parlamentar. Os blocos Democracia Progressista (PP e PSD), Resistência Democrática (PT e PDT) e Socialismo e Democracia (PSB, PPS, PCdoB e Rede) ainda não fizeram as indicações.

O Conselho de Ética é composto de 15 senadores titulares e outros 15 suplentes, eleitos para mandato de dois anos, e pelo corregedor, que é considerado um membro nato. Até o ano passado, a instância era presidida pelo senador João Alberto Souza e tinha como vice o senador Paulo Rocha (PT-PA).

Leia também: Temer diz que há "conspiração contra ele" e fará pronunciamento, segundo senador

"Empréstimo"

Em nota divulgada pelo advogado de Aécio Neves, José Eduardo Alckmin, a defesa do tucano confirma que houve um pedido de recursos a Joesley Batista, mas que tratava-se de "única e exclusivamente de uma relação entre pessoas privadas".

Aécio alega que pretendia vender um apartamento de sua família ao empresário da JBS, mas que este negou.

"Foi proposta, em primeiro lugar, a venda ao executivo de um apartamento de propriedade da família. O delator propôs, entretanto, já atendendo aos interesses de sua delação, emprestar recursos lícitos provenientes de sua empresa, o que ocorreu sem qualquer contrapartida, sem qualquer ato que mesmo remotamente possa ser considerado ilegal ou mesmo que tenha qualquer relação com o setor público. Registre-se ainda que a intenção do senador sempre foi, quando da venda do apartamento, ressarcir o empresário", diz a nota.

Além de ter sido afastado de suas funções no Senado Federal, o ora candidato tucano à Presidência da República também foi afastado do cargo de presidente nacional do PSDB.

Leia também: Fachin autoriza abertura de inquérito para investigar Michel Temer

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.