Tamanho do texto

De acordo com o depoimento de Borba Filho, o repasse teria sido feito a pedido do ex-prefeito do Rio, Cesar Maia, pai do atual presidente da Câmara

Rodrigo Maia teria recebido em casa, a quantia de R$ 350 mil em espécie, segundo delação de ex-executivo da Odebrecht
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Rodrigo Maia teria recebido em casa, a quantia de R$ 350 mil em espécie, segundo delação de ex-executivo da Odebrecht

O ex-executivo da Odebrecht João Borba Filho afirmou, em depoimento ao Ministério Público Federal, que o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebeu pessoalmente uma propina de R$ 350 mil em espécie.

Leia também: Michel Temer diz "compartilhar indignação" popular com delações

O delator da Odebrecht diz ainda que o repasse foi feito a pedido do ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia, que é pai do atual presidente da Câmara. Segundo ele, o recurso seria distribuído para o partido Democratas.

Borba Filho explicou no depoimento que recebeu um pedido para viabilizar um acordo que havia sido feito entre a empreiteira e César Maia. A entrega do dinheiro, porém, deveria ser feita pessoalmente a Rodrigo Maia.

“Eu procurei (o chefe de gabinete) e me disse para eu entregar para Rodrigo Maia, que ia distribuir para o partido. Ele me deu o endereço do Rodrigo Maia e eu levei no endereço e, no dia marcado, entreguei a quantia e vim embora”, disse.

Inquérito contra Maia

O nome de Rodrigo Maia integra a chamada "lista de Fachin", ou seja, o presidente da Câmara passará por um inquérito sobre a Operação Lava Jato.

Leia também: Lava Jato: Fachin autoriza abertura de inquéritos contra nove ministros de Temer

Divulgada na última semana, a lista do relator das ações decorrentes da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, inclui ainda nove ministros do presidente Michel Temer e outros 41 deputados.

De acordo com a reportagem a lista inclui, 42 deputados federais, sendo 11 do PT, cinco do DEM, cinco do PP, quatro do PSDB, quatro do PMDB e três do PR. PSD, PRB e PSB têm dois cada, enquanto Solidariedade, PPS, PCdoB e PTB têm um cada.

Além disso, 29 senadores serão investigados. Ou seja, mais de um terço dos senadores em exercício teve pedido de inquérito autorizado por Fachin. Desses, nove são do PMDB, sete do PSDB, quatro do PT, dois do DEM, dois do PSB, dois do PP, um do PSD, um do PTC e uma do PCdoB.

Leia também: Marcelo Odebrecht confirma que Lula é o "amigo" citado em planilhas de propinas

A lista foi feita com base em depoimentos feitos por 78 executivos e ex-executivos do Grupo Odebrecht em acordos de delação premiada. Entre os crimes apontados pelos colaboradores estão corrupção passiva e ativa, falsidade ideológica, formação de cartel, fraude em licitações e lavagem de dinheiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas