Tamanho do texto

Anúncio de acordo com o casal de ex-marqueteiros do PT foi feito durante o julgamento da ação contra a chapa Dilma-Temer no TSE; homologação dos acordos de colaboração ainda depende do Supremo Tribunal Federal

Ex-marqueteiro João Santana atuou nas campanhas presidenciais de Lula, em 2006, e de Dilma, em 2010 e 2014
Reprodução/TV Brasil
Ex-marqueteiro João Santana atuou nas campanhas presidenciais de Lula, em 2006, e de Dilma, em 2010 e 2014

João Santana e sua mulher, Mônica Moura, assinaram acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. O anúncio foi feito nesta terça-feira (4) pelo vice-procurador eleitoral, Nicolao Dino, durante o início do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) . O casal foi responsável pelas campanhas de Lula, em 2006, e de Dilma Rousseff nas eleições de 2010 e 2014.

Apesar de os depoimentos de João Santana e Mônica Moura estarem sob sigilo, a informação foi anunciada para justificar a inclusão de depoimentos do casal de publicitários no processo em que o PSDB e a Coligação Muda Brasil pedem a cassação da chapa que elegeu a petista.

"Se afigura não menos importante que se inquiram também o senhor João Santana, a senhora Mônica Moura e o senhor André Santana [auxiliar do casal]. Digo isso, diante da recentíssima notícia de que as pessoas agora nominadas celebraram acordo de colaboração premiada com a Procuradoria-Geral da República, acordo este que se encontra submetido ao Supremo Tribunal Federal", disse Dino.

Leia também: Delator afirma que corrupção no TCE pagou R$ 900 mil em despesas de Pezão

Prisão

Santana e Mônica Moura foram presos na 23ª fase da Operação Lava Jato , em fevereiro do ano passado por determinação do juiz federal Sérgio Moro, mas foram soltos após pagarem fiança de R$ 31,4 milhões e ficarem proibidos atuar em campanhas eleitorais até uma nova decisão sobre o caso.

Durante as investigações, Mônica Moura, que era responsável pela parte financeira da empresa de marketing do casal, informou que recebeu US$ 4,5 milhões em uma conta off shore na Suíça. Segundo Mônica, o repasse era referente a uma dívida por serviços prestados ao PT durante a campanha da presidenta Dilma Rousseff, em 2010. A empresa do casal fez o trabalho de marketing político da campanha.

Após o depoimento da mulher de João Santana, o PT divulgou comunicado informando que todas as “operações do partido foram feitas dentro de legalidade”. O partido também ressaltou que as contas de campanha eleitoral de 2010 foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Leia também: Proposta de Aécio Neves para reforma política recebe parecer favorável na Câmara

*Com informações e reportagem da Agência Brasil